Importante: este site não pretende conter a verdade. O leitor deve ser capaz de exercer o bom senso, examinavam cuidadosamente as Escrituras, todo dia, para ver se tudo era assim mesmo. (Atos 17:11)


Quem compõe o Israel de Deus?
Os 144'000, como vimos, são um grupo de homens e mulheres escolhidos por Deus para governar com Jesus no céu. Eles não representam o Israel de Deus, mas apenas uma parte. Então, quem são os que compõem o Israel de Deus? (Gálatas 6:16) Nós vamos responder a outras perguntas: Qual é a relação entre o "pequeno rebanho", as "outras ovelhas" e a "grande multidão"? (Lucas 12:32; João 10:16; Apocalipse 7:9) No primeiro século todos os cristãos faziam parte dos 144'000? Há ainda peças dos 144'000?



O Israel de Deus
Por que podemos dizer que o Israel de Deus corresponde a todos os fiéis adoradores de Jeová desde o tempo de Jesus? O apóstolo Paulo explica claramente isso em sua carta aos Romanos. Leia atentamente os capítulos 9 a 11. Aqui o apóstolo explica que "nem todos os que são descendentes de Israel são realmente ‘Israel’” (Romanos 9:6). Pouco antes ele escreveu: "não é judeu quem o é por fora […], mas judeu é quem o é no íntimo" (Romanos 2:28, 29). Assim, também pode ser "israelita" simbolicamente.
Jesus falou daqueles “que se dizem judeus, mas na verdade não são" (Apocalipse 2:9). Ele questionou o fato de que eles eram judeus de acordo com a carne? Não; eles poderiam facilmente provar ser judeus descendentes carnais de Abraão. Mas Jesus reafirma: "se dizem judeus, mas não são e estão mentindo" (Apocalipse 3: 9). Décadas mais cedo, para aqueles que se proclamavam filhos de Abraão, ele também dissera: "Vocês são filhos do seu pai, o Diabo, e querem satisfazer os desejos do seu pai. Ele foi um assassino quando começou, e não permaneceu na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele fala a mentira, está fazendo o que lhe é próprio, porque é um mentiroso e o pai da mentira” (João 8:39, 44). Evidentemente, em um sentido simbólico, Jesus chama "judeu" o adorador de Jeová.
Reconectando-nos com o apóstolo Paulo, ele escreveu: "Certamente vocês sabem que os que têm fé é que são filhos de Abraão […] Não há nem judeu nem grego, nem escravo nem homem livre, nem homem nem mulher […] se vocês pertencem a Cristo, são realmente a descendência de Abraão, herdeiros segundo uma promessa” (Gálatas 3: 7, 28, 29). Sem dúvida, portanto, falando em termos "cristãos", o israelita, que pertence ao Israel de Deus, é geralmente um fiel adorador de Jeová, independentemente da sua nacionalidade física.
No capítulo 11 da carta aos Romanos, o apóstolo faz a excelente ilustração da oliveira cultivada e oliveira silvestre enxertada sobre ela, aplicando-a aos judeus e gentios naturais. Então ele diz: "não quero, irmãos, que vocês desconheçam este segredo sagrado, a fim de que não se tornem sábios aos seus próprios olhos: parte de Israel ficou insensível até que entrasse o pleno número de pessoas das nações, e dessa maneira todo o Israel será salvo” (Romanos 11:25, 26). Paulo diz claramente que "todo Israel será salvo" enquanto fala de "pessoas das nações": estes são, portanto, incluídos em "Israel".

O pequeno rebanho
"Todo Israel será salvo" no sentido de que, após a sua morte, irão no céu e reinarão com Cristo? Esta é a compreensão atual das Testemunhas de Jeová. Mas esta afirmação não é suportada pelas Escrituras. Aqueles que reinarem com Cristo são tirados de "toda tribo dos filhos de Israel" e reinam sobre as "doze tribos de Israel" (Apocalipse 7:4; Mateus 19:28). Essas escrituras são muito claras a este respeito.
Então quem governa com Cristo? Lemos isto diretamente das palavras de Jesus: "Não tema, pequeno rebanho, porque o seu Pai se agradou de dar o Reino a vocês" (Lucas 12:32). Jeová decide dar o reino a algumas ovelhas de Cristo, um pequeno número delas. Em Apocalipse diz-se que são 144'000. Daniel foi informado de que "os santos do Supremo receberão o reino" (Daniel 7:18, 27). Entre estes santos, há certamente os apóstolos e outros adoradores de Jeová do primeiro século, bem como Paulo e Timóteo (2 Timóteo 2:12; Mateus 19:28; Apocalipse 3:21). Mas há outros! "Tu [Jesus] foi morto e com o seu sangue comprou pessoas para Deus, de toda tribo, língua, povo e nação, e fez deles um reino e sacerdotes para o nosso Deus, e eles reinarão sobre a terra” (Apocalipse 5:9, 10). Então, quem viverá na terra? "As doze tribos de Israel" (Lucas 22:28-30).

A grande multidão
Ao contrário do número exato dos co-herdeiros de Cristo, a grande multidão é incontável (Apocalipse 7:9). "Um dos anciãos" explicou ao apóstolo João a identidade da grande multidão, dizendo: "Esses são os que saem da grande tribulação" (Apocalipse 7:13, 14). Quem sai da grande tribulação? A resposta é encontrada nos capítulos 24 e 25 de Mateus. Jesus Cristo apontou para um período de "grande tribulação" (pode-se mostrar que a "grande tribulação" é um período de tempo ainda por vir, culminando na destruição do sistema satânico e no início do reino de Deus na terra) e acrescenta: "se não se abreviassem aqueles dias, ninguém seria salvo; mas, por causa dos escolhidos, aqueles dias serão abreviados" (Mateus 24:21, 22). Notemos aqui que Jesus distingue os "salvos", isto é, os seres humanos salvos, e os "escolhidos". Quem são os últimos? O apóstolo Pedro fala de “chamada" e “escolha", reunindo os dois conceitos (2 Pedro 1:10). A este respeito, vejamos o que o Apóstolo Paulo disse: "aqueles a quem ele primeiro deu consideração, a esses também predeterminou que fossem modelados à imagem do seu Filho, para que este fosse o primogênito entre muitos irmãos. Além disso, aos que ele predeterminou, também chamou” (Romanos 8:29, 30). Observe como os termos seguintes são usados ​​no mesmo significado: "escolhidos", "chamados", “predeterminados", "irmãos" de Cristo (Hebreus 2:11).
Por que estamos interessados em combinar o termo "escolhidos” com "irmãos"? Vamos ler as seguintes palavras de Jesus: “Imediatamente depois da tribulação daqueles dias […] todas as tribos da terra então baterão no peito, de pesar, e verão o Filho do Homem vir nas nuvens do céu, com poder e grande glória. E ele enviará seus anjos com forte som de trombeta, e eles reunirão os seus escolhidos […] Quando o Filho do Homem vier na sua glória, e com ele todos os anjos, então se sentará no seu trono glorioso. Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará as pessoas umas das outras, assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. E porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos à sua esquerda” (Mateus 24:29-31; 25:31-33). Os escolhidos de Cristo são reunidos "Imediatamente depois da tribulação daqueles dias" (talvez depois do início, isto é, durante a grande tribulação, mas este particular não é fundamental para o nosso discurso agora). Ao mesmo tempo, ou imediatamente depois, "todas as nações" são reunidas por Cristo e os indivíduos são julgados como ovelhas ou cabras. Tanto os escolhidos quanto as ovelhas são pessoas que adoram a Jeová infalivelmente, mas têm um destino diferente: os "escolhidos" reinam com Jesus no céu (nota Apocalipse 7:3, 4, onde os "selados" são escolhidos, carimbados antes do fim do sistema satânico, e não depois da grande tribulação, ao contrário da "grande multidão") e as "ovelhas" recebem a vida eterna na terra sob o Reino de Deus. “[Jesus] dirá então aos à sua direita: ‘Venham vocês, abençoados por meu Pai, herdem o Reino […] os justos (as ovelhas) [partirão] para a vida eterna” (Mateus 25.34, 46). Chegamos ao ponto: qual é a base para o julgamento das ovelhas? Jesus explica que eles serviram, ajudaram, sustentaram seus "irmãos" (Mateus 25:34-40, compara Marcos 9:41, onde novamente há uma diferença entre aqueles que pertencem a Cristo e aqueles que o apóiam).
Quem sai vivo, salvo, da grande tribulação? Segundo a visão de João, é a "grande multidão". Mas quem passa a grande tribulação também é identificado como uma "ovelha" por Jesus. Portanto, a "grande multidão" corresponde às "ovelhas" de Cristo que recebem a vida eterna na terra sob o Reino de Deus. O que mais sabemos sobre os componentes da grande multidão? Eles vêm "de todas as nações", são vistos "em pé diante do trono [de Deus] e diante do Cordeiro", eles estão "vestidos de compridas vestes brancas" e "havia folhas de palmeiras nas suas mãos". Eles também atribuem a Deus, que eles chamam "nosso Deus", e ao seu Cristo a sua salvação. Sabemos que eles "lavaram suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro" e "prestam serviço sagrado [a Deus] dia e noite no seu templo" (Apocalipse 7:9, 10, 14, 15). Por isso, os membros da grande multidão adoram, servem conscientemente a Jeová e o consideram como seu Deus e eles são gratos a Cristo Pelo valor expiatório do seu sangue (Efésios 1:7; Hebreus 9:14). Então não são especuladores que, querendo usar uma metáfora, no último momento querem entrar na arca para serem salvos, são mais pessoas que têm uma fé sincera (João 3:16).
Há uma objeção. A grande multidão está "em pé diante do trono [de Deus] e diante do Cordeiro": isso significa que está no céu? Não. Do que os compreendemos? Podemos dar um exemplo. Se acusássemos alguém de um crime e disséssemos: "Eu o levarei diante a Lei", isso significa que o levaremos para onde? Vamos levá-lo ao Legislador do nosso país? Não. Mais simplesmente queremos dizer que o levamos ao tribunal, onde a lei é aplicada. Ou podemos dizer que o governo do nosso país também está na nossa cidade? Sim, embora a capital do governo esteja em outro lugar, o governo também faz sentir sua presença em nossa cidade. Portanto, estar "diante do trono" não significa necessariamente estar no mesmo lugar onde está o trono, isto é, no céu. Vimos como Jesus, falando do julgamento final, diz que "todas as nações serão reunidas diante dele" (Mateus 25:32). Significa que "todas as nações", incluindo as cabras, irão para o céu? Obviamente não. "Todas as nações" estarão diante de Cristo, o Cordeiro, para ser julgado, e estarão sujeitos à sua vontade, sentindo assim os efeitos. Podemos adicionar outro exemplo. Cornélio, o primeiro membro da "outra ovelha", disse ao apóstolo Pedro: "Agora estamos todos presentes perante Deus para ouvir todas as coisas que Jeová lhe mandou dizer”. Cornélio e seus parentes com Pedro talvez estivessem no céu? Não, eles estavam em "casa"! (Atos 10:22, 33). Então, em que sentido Cornélio disse que todos eles estavam "diante de Deus"? No sentido de que estavam prontos para aceitar Sua palavra e estavam prontos para fazer a Sua vontade. O que podemos acrescentar? Observamos que os membros da grande multidão estão "de pé". O que isso significa? Que eles são aprovados por Deus. Nós o conhecemos entendendo o significado de Lucas 21:36 e Apocalipse 6:17. Se quisermos aprofundar ainda mais, podemos ver como a expressão grega original traduzida "antes" (enòpion) literalmente pode traduzir "na vista, na presença". Assim, o ancião diz a João que os membros da grande multidão estão "à vista" de Deus, que olha e examina os homens na terra de Seu trono no céu (Salmos 11:4).
Sobre os membros da grande multidão diz-se que "prestam serviço sagrado [a Deus] dia e noite no seu templo”. Isso pode acontecer na terra em nossos dias? Sim, e tinha sido profetizado nos tempos antigos! Foi dito que "na parte final dos dias" o monte da casa de Jeová será "elevado" e que nesta "casa de Jeová", ou templo, haveria uma reunião de pessoas de "todas as nações” (Isaías 2:1-4; Miquéias 4:1-4). Essas visões são forçosamente terrestres.
Existe outra prova para mostrar que a grande multidão estará na terra e viverá para sempre nele? Leiamos este versículo: "Aquele que está sentado no trono [Isto é, Deus] estenderá a sua tenda sobre eles. Não terão mais fome, nem terão mais sede; e nem o sol nem o calor abrasador os castigarão, porque o Cordeiro, que está no meio do trono, os pastoreará e os guiará a fontes de água da vida. E Deus enxugará toda lágrima dos olhos deles” (Apocalipse 7:15-17). Jesus Cristo é o pastor da grande multidão. Esta é uma comparação notável: comparou-se a um pastor que divide as ovelhas das cabras no clímax da grande tribulação. Cristo também conduz a grande multidão às "águas da vida", que produzem vegetação "para a cura das nações" (Apocalipse 22:1, 2). Existem nações no céu? Ou são estes um elemento típico da sociedade humana? Indubitavelmente. E esta é outra pista que nos diz que a grande multidão é, e permanece, na terra. Nós também lemos que Deus espalha sua tenda sobre os componentes da grande multidão e limpa cada lágrima de seus olhos. Estas expressões são bastante semelhantes e paralelas ao seguinte: "A tenda de Deus está com a humanidade; ele residirá com eles, e eles serão o seu povo. O próprio Deus estará com eles. Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais tristeza, nem choro, nem dor. As coisas anteriores já passaram” (Apocalipse 21:3,4). Observamos que é explicitamente afirmado que a tenda de Deus está com a raça humana, com os seres humanos; que a morte não será mais, ao contrário de antes (nunca houve morte no céu). A limpeza das lágrimas traz à mente outra escrita típica que diz: "Ele acabará com a morte para sempre, e o Soberano Senhor Jeová enxugará as lágrimas de todo rosto. Ele tirará de toda a terra a humilhação de seu povo, pois o próprio Jeová falou isso” (Isaías 25:6-8). As referências à terra e à humanidade são explícitas e esclarecedoras.

No primeiro século estavam todos "escolhidos"?
Depois de haver amplamente demonstrado que "o Israel de Deus" é composto de todos os adoradores de Jeová desde o tempo de Cristo, e que seus componentes "semelhantes a ovelhas" têm duas esperanças de vida diferentes, isto é, o "pequeno rebanho" no céu para reinar com Jesus e a "grande multidão" na terra para viver para sempre, nos perguntamos se no primeiro século, como as Testemunhas de Jeová afirmam atualmente, todos os cristãos pertenceram ao "pequeno rebanho", ou "144'000", ou não. Veja o que a Sentinela diz:

Nem todos os 144 mil cristãos ungidos foram escolhidos no primeiro século. A convocação deles continuou no período apostólico e, depois, pelo visto, diminuiu de intensidade. Mas prosseguiu ao longo dos séculos seguintes até os tempos atuais. – A Sentinela, 15 de janeiro de 2008, p. 22 § 13

Em particular, é isso que a Sociedade alega, embora com cautela, sobre o primeiro século:

Jeová começou a escolher os ungidos depois da morte e ressurreição de Jesus, e pelo visto todos na congregação cristã do primeiro século eram ungidos. – A Sentinela, Janeiro de 2016, p. 26 § 15

É assim mesmo? Parece-nos que não podemos provar que no primeiro século todos os adoradores de Jeová eram parte dos 144'000. Na verdade, algumas pistas sugerem o contrário. Observamos que Jesus disse: "E tenho [já] outras ovelhas" (João 10:16). Jesus, ainda vivo na terra, já sabia que tinha outras ovelhas e a necessidade de juntá-las; na verdade, ele usa o tempo presente do verbo. Observe o contraste com esta outra afirmação: “quando o Filho do Homem se sentar no seu trono glorioso, vocês que me seguiram [até agora] se sentarão [no futuro] em 12 tronos e julgarão as 12 tribos de Israel” (Mateus 19:28). Neste caso Jesus, escolhendo conscienciosamente suas palavras, diz que o tempo em que seus escolhido julgaria a humanidade seria futuro.
Outra pista é encontrada nas ressurreições após a ressurreição de Cristo. Há pelo menos dois exemplos, Tabita e Êutico. De acordo com o raciocínio de Paulo, se estes dois fossem parte do "pequeno rebanho" dos 144'000 escolhidos para reinar com Cristo no céu, eles prefeririam permanecer mortos e, enquanto estivessem vivos, desejariam ansiosamente morrer (2 Coríntios 5: 1-8). No caso destes dois, a ressurreição teria sido um desastre! Mas isso não foi o que aconteceu. (Considerai o que diz corretamente esta publicação das Testemunhas de Jeová: "Também os que reinarão com Cristo no seu Reino celestial terão de ser batizados na morte. (Mar. 10:37-40; Col. 2:12) Quando morrem, deixam para sempre a sua vida humana, assim como Jesus fez. E, ao serem ressuscitados, juntam-se a ele no governo celestial. Este batismo não é realizado por algum homem, mas por Deus, mediante seu Filho celestial.” – Unidos na adoração do único Deus verdadeiro, p. 98 § 7) Portanto, aqueles dois, como certamente muitos outros, foram ressuscitados porque tinham a esperança de viver para sempre, mas em um corpo carnal. E como eles, há para acreditar que os outros também tiveram essa esperança.
Outro indicador interessante é a introdução da primeira carta canônica aos Coríntios: "Paulo, chamado para ser apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, e Sóstenes, nosso irmão, à congregação de Deus em Corinto, a vocês que foram santificados em união com Cristo Jesus, chamados para ser santos, junto com todos os que, em toda a parte, invocam o nome do nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso” (1 Coríntios 1:1,2). É bastante evidente que na congregação havia "santos" junto com outros discípulos de Cristo, e é notável que Paulo faça especificamente essa distinção: "Senhor deles e nosso". Este particular lembra-nos do "um só rebanho" que tem “Um só pastor", onde não há distinção entre "ovelhas", "outras ovelhas" e "pequeno rebanho".

Existem ainda componentes de "144'000"?
Sem dúvida. Com este artigo, não estamos preocupados em determinar quem são os componentes atuais do "pequeno rebanho" que governará com Cristo. Mas podemos dizer com certeza que ainda existem componentes dos 144'000 e eles existirão até certo ponto após o início da grande tribulação. Lemos claramente nas palavras de Jesus: "Imediatamente depois da tribulação daqueles dias [… Jesus] enviará seus anjos com forte som de trombeta, e eles reunirão os seus escolhidos” (Mateus 24:29-31). De acordo com a versão de Marcos, Jesus localiza a reunião, dizendo: “[Jesus] reunirá os seus escolhidos … desde a extremidade da terra até a extremidade do céu” (Marcos 13:27). Talvez por este particular, podemos entender que Jesus vai reunir o número total dos 144'000, tanto os que já estão no céu, uma vez que morreram há muito tempo, e aqueles ainda vivos na terra (note como em Apocalipse 6:9-11 aqueles já mortos e ressuscitados no céu são convidados a esperar "até que se completasse o número dos seus coescravos e irmãos” ainda vivendo na terra). Então vemos que a reunião final acontece "com um forte som de trombeta": neste sentido, compare referências semelhantes em 1 Coríntios 15:51, 52 e 1 Tessalonicenses 4:14-17.
Também a parábola do trigo e as ervas daninhas responde a esta pergunta? Veremos isso quando esta e outras parábolas serão examinadas em um próximo artigo.

Acalia & Marta
Enviar um email para Acalia

How to comment with Disqus?
The first way to comment is to register in Disqus. If you have no account, click on the Disqus logo and follow the instructions.
You can comment as a guest: check “I’d rather post as a guest” and follow the instructions.
You can sign with your Google, Twitter or Facebook account.
At the moment, comments are not moderate, however, please respect common sense rules and current laws. (Note that moderation may come a posteriori)


Please check this page to read our privacy policy and our use of cookies
This website may use cookies to give you the very best experience. If you continue to visit it, you consent to this - but if you want, you can change your settings in the preferences of your web browser at any time.