Importante: este site não pretende conter a verdade. O leitor deve ser capaz de exercer o bom senso, examinavam cuidadosamente as Escrituras, todo dia, para ver se tudo era assim mesmo. (Atos 17:11)


A Verdade Sobre Deus …
A verdadeiro razão para o sofrimento. Tu poderias ser surpreendido.

Hace varios años, me desperté en medio de la noche por el sonido de mi padre que estaba en agonía. Fue el comienzo de un lento viaje a través del infierno se llama cáncer. Si encuentras en la misma situación, o si es el caso de un familiar o un conocido, por favor perdóname el uso de una palabra horrible, pero pocas palabras pueden expresar este horror. Pero esto fue sólo el comienzo de un proceso de discusión y de reflexión, que se prolongó durante años después de la muerte de mi padre.

Minha primeira reação à dor de meu pai me surpreendeu e me incomodou muito. Senti a raiva e o ressentimento para com Deus. Nunca algo que eu teria esperado de mim. Eu me sinto muito envergonhado e muito triste dever confessar o que eu disse a Deus. Realmente, eu disse, eu sei muito bem que todos nós temos de morrer, mas se você vai deixar para o meu pai para sofrer terrivelmente, se lhe perdoarei nunca, porque eu sei que você pode evitar que isso aconteça.

Felizmente, o meu pai nunca cruzou o longo período de sofrimento do que eu havia previsto, e que tinha causado o meu acesso de raiva com Deus. No entanto, fiquei com um problema: Eu precisei saber por que Deus permite o sofrimento. Evidentemente, havia algo sobre a natureza de Deus que eu não entendia.

Então, como Ursinho Pooh, eu estava decidido a pensar, pensar, pensar...

A primeira regra no meu processo de investigação que decidi usá-lo para a busca da resposta à minha pergunta sobre Deus e o sofrimento foi que a resposta deve ser dedutivo e não indutivo. Em outras palavras, uma conclusão indutiva é obtida por observação direta. Por exemplo, se você me ver enquanto eu estou me movendo com a mão um copo de água, então você sabe como o copo se moveu. No entanto, se você não me vê diretamente a mover o copo de água, mas que eu sou a única pessoa no quarto, pode-se deduzir que tenho movido o copo. Da mesma forma, a maioria das conclusões sobre por que Deus permite a maldade é algo indutivo: Deus existe, Deus é todo-poderoso, o mal existe, portanto, Deus permite o mal.

A segunda regra de minha pesquisa foi um princípio de raciocínio que Sherlock Holmes havia tratado de incutir em Watson: tendo excluído o impossível, o que resta, por mais improvável que pareça, é a verdade. Em outras palavras, se na cena de um crime você tenha removido todas as armas possíveis, com a exceção de um macaco verde com um facão vermelho, vos deveis colocar de lado os vossos preconceitos e procurar um macaco verde com um facão vermelho.

A terceira regra é um princípio da tenacidade do meu pai. Lembro-me de, há muitos anos, eu estava no quintal com meu pai e meu irmão mais velho veio e nos disse, com um ar de arrogância: ”ninguém pode compreender que Deus não tem princípio nem fim”. O que meu pai respondeu: “bom, eu não entendo, mas isso não significa que é impossível de entender. Você pode entender tudo o que você deseja se você pensa sobre isso por um longo tempo. Olha o que Einstein foi feito com o tempo. Quem teria pensado que o tempo poderia ser mais bem entendido?”

O quarto princípio veio-me de minha mãe, e embora não tivesse a intenção de considerá-lo vinculante, eu queria honrar a ele se é possível. Defendia que a verdade acerca de Deus elevou-o, enquanto que as mentiras diminuiu-o.

Assim que, armados com estes quatro princípios da pesquisa:
  • O problema deve ser realmente dedutivo e não indutivo
  • Depois de ter removido todas as possibilidades, o que resta, não importa o quão impossível, eu tenho que aceitar
  • Se pode entender tudo, se si pensa sobre isso o tempo suficiente e sério
  • A verdade sobre Deus, deve elevar nossa visão dele
E assim, a minha reflexão começou.A primeira pergunta foi: as coisas são como deveriam ser? É interessante notar que a medicina, o direito, a religião, a filosofia e a ciência chegado à mesma conclusão, e é que esta simples frase: as coisas não são como deveriam ser. A medicina trata de reparar o dano, ou impedi-lo; a lei trata de controlar e corrigir; a religião e a filosofia tentam de explicar, e a ciência tenta de melhorar.

Portanto, a resposta para a primeira pergunta é: Não, as coisas não são como deveriam ser.

A segunda questão, que à primeira vista parece ser a mesma que a primeira, é a seguinte: A humanidade vive de acordo com a vontade de Deus? Agora, aqui as coisas se tornam interessantes. Em toda a lógica, a resposta deve ser a mesma que a primeira pergunta: Não, o mundo não vive de acordo com a vontade de Deus. Dito de outra forma, o mundo está vivendo contra a vontade de Deus. Quando refleti sobre isso, eu entendi o seguinte ponto: Se você pode fazer algo contra a vontade de alguém, é óbvio que esta pessoa é limitada. Por exemplo, se eu venho à tua casa e o que eu tome a tua propriedade contra a tua vontade, eu só posso fazê-lo que se você é menos forte do que você, ou se eu tenho as habilidades legal, como no caso de um confisco. Mas, em qualquer caso, você tem limitações. Se você tiver um controle ou um poder ilimitado, eu tenho nenhum modo para levar suas propriedades contra tua vontade. Da mesma forma, a humanidade não pode viver de uma maneira contrária à vontade de Deus se ele não tem limitações. Deus, portanto, deve ser um ser limitado. Isto, escusado será dizer que isto é algo que eu nunca tinha ouvido falar antes, mas, invocando o princípio Holmesian, tendo excluído o impossível, o que resta, por mais improvável que pareça, é a verdade, inevitavelmente, chegamos a esta conclusão. E, de fato, a oração do Senhor o confirma; pedindo que se faça a sua vontade, é óbvio que o que acontece sobre a terra vai contra a vontade de Deus. (Mateus 6:10) E a noite antes de sua morte, quando Jesus lhe pediu que "este cálice" seja removida, porque não era "sua vontade", de quem era a imagem? (Lucas 22:42)

Mas se é verdade que as condições deste mundo são contra a vontade de Deus, então isso parece diminuiu, não elevou. Mas considere este exemplo: Um homem bom e forte em uma situação em que tem de lutar contra um rival desleal. Ele tomou a decisão de não lutar sporcamente apenas para ser capaz de ganhar. Assim, ele entra para a luta e, provavelmente, leva um par de entradas mais do que teria se tivesse jogado sujo, mas, olha por onde, o ganha. Enquanto se afasta do local de combate, você está pensando que é um homem fraco, porque se limitado à luta justa? Ao contrário! Seus limites se tem em conta com mais respeito. De fato, a Bíblia diz que Deus não pode mentir... é uma limitação. Também diz que não pode deixar que uma só de suas palavras não se deu conta, ou que uma de suas promessas não seja mantida... essas coisas são limitações. Portanto, os limites podem ser uma coisa boa, e um sinal de força. E assim, mãe ainda tem a razão.

Assim, o primeiro das minhas conclusões é (há três principais conclusões e uma super-conclusão): Deus é limitado.

O segundo ponto é, na verdade, bastante simples, embora pouco ortodoxo. E é esta: qualquer pessoa que sofre injustamente, contra a sua vontade, é uma vítima. Que é, de fato, a definição de uma vítima. Assim que Deus, por definição, é uma vítima. A sua criação foi, de alguma forma, rasgada longe de  ele e maltratada na frente diante de seus olhos, contra a sua vontade, e não pode fazer nada a respeito. E pela primeira vez na minha vida, senti compaixão por Deus. Em vez de dizer "pobre de mim, meu pai sofre de câncer e Deus não faz nada para ajudar", comecei a dizer "pobres de Deus, a sua criação tem sido tomado dele e ele se vê obrigado a vê-la sofrer". Portanto, a segunda conclusão é esta: Deus é uma vítima. De fato, A vítima.

A terceira conclusão é um pouco mais complicada. Então, despertai a sensibilidade dos neurônios. Para ilustrar este ponto, deixem-me desenvolver um cenário semelhante ao de o livro de Jó, em que o véu da invisibilidade foi removido e você pode sentir e ver o que acontece no céu. A cena é esta: Satanás tem apenas feito cair em pecado Adão e Eva, e agora está de volta ao céu para polir as estrelas, ou o que quer que seja que eles fazem lá. Então Deus se torna a Satanás e diz, "eu vi o que você fez com Adão e Eva".

Satanás responde: Assim?
Deus: Porque o que você fez, agora devem morrer.

Satanás: Assim?

Deus: Isto significa que você deve morrer também.

Satanás: Não, eu não ia morrer.

Deus: E por que não?

Satanás: você Não pode matar a mim. A menos que possa provar que não fizerem a mesma coisa, em circunstâncias semelhantes. Com a pressão correta, torcerás ou violarías as regras. (o fato de que Satanás acha que ninguém tem uma integridade perfeita, e que a integridade de Deus é posta à prova pode ser constituída por, pelo menos, duas passagens bíblicas.O primeiro é o de Jó 2:3, em que Deus fala a Satanás e diz-lhe, "você tente me colocar contra ele para o destruir sem nenhum motivo", o que demonstra que Satanás pensou que poderia provocar a Deus para fazer o mal. A segunda passagem está em Mateus 4:1-11, onde Satanás tenta desafiar diretamente e comprometer a integridade de Jesus. Mais uma vez, de quem Jesus era a imagem?)

Deus: Não, não é verdade. Minhas leis são perfeitas e não violo nunca.

Satanás: Verdade? Então, ouça bem, chefe. Você disse que se Adão tocava ou comia do fruto, que ele iria morrer e que teria lhe rejeitado, não?

Deus: Isso é Correto.

Satanás: E mantiver a palavra, de fato, é uma de suas leis, não?

Deus: Sim, sim.

Satanás: Mas também lhes disseste que eles podiam ter filhos. E mantém sempre a palavra. Então, vamos ver... hmmm... teria lhes rejeitado, mas ainda podam ter filhos, por isso, é claro, essas crianças não vai ser teu, então acho que vai ser de mim.

Neste ponto, Deus sabia o que Satanás iria fazer as crianças humanos, espancamentos, estupros, tortura, doença...

Satanás: Por certo, você tinha dado uma regra a Adão e Eva. Se eles tocaram ou comeu do fruto, morreriam. Quero lembrá-lo de suas próprias regras, mesmo se apenas uma vez torcerás ou violarías uma das regras para ajudá-los, você perdeu e não pode me matar. A grande lição que eu queria dar a Adão e Eva foi o respeito à propriedade, e já não é mais o dono da raça humana. Eu estou agora. (Lembre-se que até mesmo Jesus reconheceu que Satanás é o príncipe deste mundo [João 14:30])

Então, eu entendi que Deus está acusado. O fato de ser acusado não significa ser culpado, mas é necessário comparecer perante o tribunal. (A idéia de que deus está sob a acusação não é alheio à Bíblia. Asafe, no Salmo 74:22 diz a Deus: "Levanta-te, ó Deus, e defende a tua causa." E de novo em Miquéias 6:1-3 diz que Deus leva uma causa judicial com seu povo)

É um fato interessante da vida, que é que se pode dizer muito a respeito de uma pessoa observando o trabalho; você pode ver se é organizada, ordenada, inteligente, limpa, etc., Através da aplicação deste mesmo princípio, a observação da obra de Deus, chegamos a uma interessante conclusão acerca de sua natureza. A natureza de cada coisa que Deus fez, sem exceção, pode-se descrever com uma só palavra, e essa palavra é "Lei".

Se tudo o que foi feito reflecte a lei e se está em conformidade com a lei, então, ele deve amar e respeitar a lei.

A conversa entre Deus e Satanás continua...

Satanás para Deus: você é perfeito?

Deus: Sim.

Satanás: Me fizeste perfeito?

Deus: Sim.

Satanás: Então como é que terminou tão mal? Se há um defeito em mim, eu devo ter tido de ti.

Com esta lógica impecável, Satanás concluiu o caso, e, neste ponto, todo o mundo sabia que Deus estava a ponto de ser posta à prova muito dura, e que, ao final da prova será capaz de dizer, com forte evidência de apoio, não há nenhum defeito em mim. (Deuteronômio 32:4) Apenas um comentário sobre este ponto. Devemos dar ao Diabo o que pertence ao Diabo. É inegável que ganhou a primeira rodada. Nem Deus, nem nenhum dos seus anjos poderiam encontrar um argumento capaz de parar esse terrível processo, e não cabe dúvida de que Satanás causou o fracasso do plano original de Deus.

Aqui é um ponto sobre o qual meditar. Todo Cristão sabe que quando Jesus estava na terra, ele era a imagem de Deus. Se cremos que Jesus era o Deus encarnado, Deus feito homem, ou um homem perfeito, todos nós sabemos que foi o reflexo de Deus. Ele mesmo disse: ”aquele que me viu a mim, viu o Pai”. Por que, então, sabendo que para o resto de sua vida na terra Jesus era a representação de Deus, é-nos esquecer o fato de que foi a representação de Deus, sobretudo, durante o seu último dia de vida na terra? Quando foi processado (eu contei pelo menos cinco testes, que começaram a noite antes de sua morte) não disse uma única palavra para sua defesa. Quando morreu, o coração partido, ele, a pessoa que mais amava a Deus, foi julgado, condenado e executado como um blasfemador. Quem está representado? Deus é acusado de, e o que diz em sua defesa? Deus teria morrido de um coração quebrado, se ele poderia morrer, porque de todas as críticas que tem de suportar. Aqui é a pessoa mais amável, mais terna que viveu acusada, inclusive, de seus servos melhor, de permitir a maldade. Quando Jesus sofreu uma morte horrível, não há dúvida em sua mente que foi uma vítima? De novo, o que está representado? (por favor, leia o Salmo 60:20) E, em consequência, o super conclusão é que: Deus não permite o mal. O mal é definido contra a sua vontade.

En su libro, Tiago dice: com coisas más, Deus não pode ser provado, nem prova a ninguém. Simplemente, Dios no tiene maldad en él, nunca podría causar. El simple hecho de decir que “permite” el mal es, en el mejor de los casos, una afirmación errónea, en el peor de los casos, una falsa acusación. Me gusta la conclusión de Eliú, hacia el final del libro de Job: Deus não faz o que é mau.

O que se chama “permissão de Deus da maldade” pode ser ilustrado da seguinte forma: um homem se casa com uma mulher que já tem um filho, mas antes que possa adotar a criança, a mãe morre. Ao mesmo tempo, o governo sob o qual vivem determina que a criança está na necessidade de uma cirurgia que o pai/marido acha que não é necessário. Neste ponto, o homem tem duas opções: pode sequestrar a criança, e correr o risco de ser pego e perder o bebê, ou então vamos fazer o governo da cirurgia, adotar a criança, e, em seguida, reparar o dano. Se Deus havia intervindo de forma prematura (ilegalmente), então ele lhe teria dado razão ao Diabo, e ele teria perdido. Se ele espera até que tenha o direito legal (Ezequiel 21:27,
leia o artigo no site: Como funciona o resgate...) ele vai retomar o controle de tudo e ser capazes de reparar o dano. (“Veja! Estou fazendo novas todas as coisas.” Apocalipse 21:5)

Conclusões:
  • Deus é limitado (no bom sentido)
  • Deus é uma vítima
  • Deus é acusado
  • Deus não permite o mal, foi posto contra a sua vontade. (super-conclusão)
Sim, bem, isso pode não ser o que estamos acostumados a ouvir, mas como disse Elihú a Jó (Jó 34:3): Pois o ouvido prova as palavras, assim como a língua saboreia a comida.

Por favor, tenha também em conta que para que uma lei seja uma lei, não pode sofrer nenhuma exceção. De fato, isso é o que faz com que seja uma lei. Da mesma forma, para que uma explicação completa seja realmente completa, deve cobrir todos os aspectos possíveis, se não, não é uma explicação completa. Dizer que Deus permitiu a maldade para que as pessoas possam escolher se servem ou não, pode agradar a alguns. Mas, francamente, muitos escolheram servir a Deus, e, no entanto, continuam sofrendo e experimentar o mal. E também Asafe no Salmo 73 confirma que os maus não servem a Deus e, no entanto, às vezes prosperam. Quando uma criança de quinze dias sofre terrivelmente e morre de câncer, diga-me um pouco como ela os beneficia de seu sofrimento. É uma coisa horrível que Deus é obrigado a lidar, e vai vir a terminar muito bem. Mas não é algo que ele escolheu.

Este querido rei Davi fez uma declaração muito particular. Foi logo depois do terrível episódio com Betsabé, e escreveu o Salmo 51. E neste Salmo, é uma afirmação estranha a Deus: ”Pequei acima de tudo contra ti”. Ele tinha acabado de matar um homem, cometer adultério, e, no entanto, disse a Deus: ”pequei acima de tudo contra ti”. Por quê? Porque Davi sabia que “o adivinha quem?” teria limpado a bagunça, não ele, mas Deus. Todo o mal será reparado por Deus, de fato, o mal é feito contra ele. Que sorte temos de ter um Deus como ele!

Então, caro leitor, obrigado por ter dedicado um pouco de seu tempo para ler isso. Agora, tomar um pouco de tempo para meditar sobre ele.

The Truth About God..... on Musings About God Site

How to comment with Disqus?
The first way to comment is to register in Disqus. If you have no account, click on the Disqus logo and follow the instructions.
You can comment as a guest: check “I’d rather post as a guest” and follow the instructions.
You can sign with your Google, Twitter or Facebook account.
At the moment, comments are not moderate, however, please respect common sense rules and current laws. (Note that moderation may come a posteriori)


Please check this page to read our privacy policy and our use of cookies
This website may use cookies to give you the very best experience. If you continue to visit it, you consent to this - but if you want, you can change your settings in the preferences of your web browser at any time.