BaruQ
Matéria Para Testemunhas de Jeová Refletivos
“‘Mas você está procurando grandes coisas para si. Pare de procurar essas coisas. Pois estou para trazer uma calamidade sobre todas as pessoas’, diz Jeová, ‘e, aonde quer que você for, eu lhe darei a sua vida como despojo’.”
Importante: este site não pretende conter a verdade. O leitor deve ser capaz de exercer o bom senso, examinavam cuidadosamente as Escrituras, todo dia, para ver se tudo era assim mesmo. (Atos 17:11)
Perimeno
A visão de Deus sobre a dedicação
girl-praying-hands-eyelashes-41942
Qual é a visão de Deus sobre a dedicação? O fato é que Jeová Deus não disse nada sobre o assunto! Sua Palavra, a Bíblia, não ensina a necessidade de dedicar-se a ele para ganhar a salvação. Como Deus está em silêncio sobre o assunto, os homens se sentiram livres para definir o que eles queriam dizer. Por esse motivo, considero necessário citar extensivamente as publicações da Sociedade e depois compará-lo com o que as Escrituras realmente dizem. O palavras em negritos ou itálicos em muitas citações são meus para destacar ou enfatizar o ponto particular que está sendo feito.

A Sentinela de 15 de março de 1998 página 19, § 4, diz:
A fim de evitar mal-entendidos, as Testemunhas de Jeová procuram ter cuidado na maneira de expressar-se. Em vez de dizer “a Sociedade ensina”, muitas Testemunhas preferem usar expressões tais como “a Bíblia diz” ou “entendo que a Bíblia ensina”. Assim salientam a decisão pessoal de cada Testemunha de aceitar os ensinos bíblicos e também evitam dar a impressão errônea de que as Testemunhas de algum modo estão presas aos ditames de alguma seita religiosa.
Em harmonia com esta diretiva, ao dizer ao seu ouvinte “a Bíblia diz”, quais escrituras você se referir ao discutir o assunto de nossa dedicação a Deus? Você pode citar textos bíblicos específicos sobre por que somos batizados, ou você tem que dizer: "A Sociedade ensina”? Nosso ensino sobre dedicação, embora aparentemente nobre, deve ser a doutrina mais censurável que temos, do ponto de vista de Jeová. Por isso, diminuímos o amor que Deus tem para nós, depreciamos o valor do sacrifício de resgate de Cristo, e nós ensinamos que devemos ganhar nossa salvação "vivendo à altura da nossa dedicação". É também o meio pelo qual nos julgamos e medimos a espiritualidade uns dos outros. E até rompemos os casamentos sob o pretexto de que nossa dedicação a Deus vem à frente de nosso voto matrimonial.
A nação de Israel foi dedicada a Deus?
Deus exige que seu povo se dedique a ele? O seu relacionamento com Deus e sua salvação depende da sua dedicação a ele? O que é mais importante, sua dedicação a Deus ou seu voto matrimonial? Nosso batismo é uma dedicação? Como você responderia a essas perguntas sem ir “além das coisas que estão escritas”, como somos admoestados de não fazer. (1 Coríntios 4:6) Construímos toda uma doutrina em torno do ensino da dedicação. Está tão enraizado em nós que acabamos de aceitá-lo naturalmente. E, afinal, o que pode estar errado com algo que é tão obviamente nobre e justo? Examinemos esta questão mais importante e comparamos o que nos ensinaram sobre o tema da dedicação com o que Jeová nos diz em sua palavra escrita. Afinal, é a visão de Jeová sobre assuntos que realmente contam. Comecemos por examinar a afirmação de que a nação de Israel era um povo dedicado a Jeová. Sobre isso uma Sentinela de 1998 diz:
Dedicação ao “Deus de Israel”
Em 1513 AEC, Deus libertou os israelitas da escravidão egípcia. Pouco depois, ele os pôs à parte como seu povo especial, entrando numa relação pactuada com eles. Disse-lhes: “Agora, se obedecerdes estritamente à minha voz e deveras guardardes meu pacto, então vos haveis de tornar minha propriedade especial dentre todos os outros povos, pois minha é toda a terra.” (Êxodo 19:5; Salmo 135:4) Depois de ter tornado os israelitas sua propriedade especial, Jeová podia ser chamado legitimamente de “o Deus de Israel”. –  Josué 24:23. Jeová não foi parcial por fazer dos israelitas seu povo dedicado, porque ele pensava também amorosamente nos não-israelitas … (Levítico 19:33, 34) Séculos mais tarde, o ponto de vista de Deus foi bem inculcado no apóstolo Pedro, que reconheceu: “Certamente percebo que Deus não é parcial, mas, em cada nação, o homem que o teme e que faz a justiça lhe é aceitável.” –  Atos 10:34, 35. Note, também, que serem o povo dedicado de Deus era condicional. Apenas por obedecerem estritamente à voz de Deus e guardarem o pacto dele seriam a Sua “propriedade especial”. Lamentavelmente, os israelitas deixaram de satisfazer esses requisitos. Depois de rejeitarem o Messias enviado por Deus, no primeiro século EC, eles perderam sua posição privilegiada. Jeová não era mais “o Deus de Israel”. E os israelitas naturais não eram mais o povo dedicado de Deus. –  Note Mateus 23:23. – w15/3/1998, p. 12, § 2-4, Dedicação e liberdade de escolha
Observe o acima como os termos “dedicado” e “convênio” são usados no mesmo contexto. Mas essas duas palavras não significam o mesmo. Eles não são intercambiáveis. Jeová nunca se referiu a seu povo como dedicado a ele. Ele nunca os acusou de quebrar sua dedicação para ele ou não viver com ele. Nem mesmo no sentido figurativo. No entanto, eles romperam sua aliança com ele. Observe como falta qualquer escritura que mencione a dedicação.
Observe também algumas coisas que contradizem a nossa compreensão sobre a dedicação. Ele diz: “Jeová não foi parcial por fazer dos israelitas seu povo dedicado”. Jeová fez os israelitas seu povo dedicado, ou eles se dedicaram a Deus de bom grado? De acordo com nosso entendimento, Deus nos dedica ou nós fazemos nós mesmos? A Sentinela também afirma: “Note, também, que serem o povo dedicado de Deus era condicional”. A dedicação é condicional? Ou o pacto foi condicional? Além disso, diz:
Dessemelhante do antigo Israel natural, o Israel de Deus até hoje tem obedecido estritamente aos requisitos da sua dedicação. Isto não deve surpreender, porque seus membros escolheram de livre vontade ser obedientes. Ao passo que os membros do Israel natural se tornaram dedicados por nascença, os membros do Israel de Deus tornaram-se tais por escolha. O arranjo cristão se destaca assim em contraste com o pacto da Lei, judaico, que impunha a dedicação às pessoas sem dar-lhes liberdade de escolha. O profeta Jeremias predisse uma mudança com respeito à dedicação, escrevendo: “‘Eis que vêm dias’, é a pronunciação de Jeová, ‘e eu vou concluir um novo pacto com a casa de Israel e com a casa de Judá; não um igual ao pacto que concluí com os seus antepassados no dia em que os tomei pela mão para os tirar da terra do Egito, “pacto meu que eles próprios violaram, embora eu mesmo tivesse a posse marital deles”, é a pronunciação de Jeová’. ‘Pois este é o pacto que concluirei com a casa de Israel depois daqueles dias’, é a pronunciação de Jeová. ‘Vou pôr a minha lei no seu íntimo e a escreverei no seu coração. E vou tornar-me seu Deus e eles mesmos se tornarão meu povo.’” –  Jeremias 31:31-33. Deus criou os humanos para prezarem a liberdade. Concedeu-lhes a faculdade do livre-arbítrio. O primeiro casal humano fez uso da sua liberdade de escolha. No entanto, imprudente e desamorosamente escolheram algo que resultou num desastre tanto para eles como para os seus descendentes. Ainda assim, isto demonstra claramente que Jeová nunca obriga criaturas inteligentes a adotar um proceder contrário à sua motivação ou seus desejos íntimos. E visto que “Deus ama o dador animado”, a única dedicação aceitável a ele é a baseada no amor, feita voluntariamente com alegria, baseada na liberdade de escolha. (2 Coríntios 9:7) Tudo o mais é inaceitável. – w15/3/1998, p. 13, Dedicação e liberdade de escolha
Mais uma vez, observe como a palavra dedicação e pacto são usadas de forma intercambiável. Eles significam o mesmo? O Israel natural não conseguiu cumprir os requisitos rigorosos de sua dedicação? Javé prometeu por meio de seu profeta Jeremias que conclua com a casa de Israel e a casa de Judá uma nova dedicação? Além disso, considere: desde que a Watchtower afirma que Jeová fez da nação de Israel seu povo dedicado, e gerações sucessivas nasceram no relacionamento dedicado sem qualquer “escolha” na matéria, tendo-a “imposto” sobre elas e se alguma dedicação não feito com base no amor, feita voluntariamente com alegria, baseada na liberdade de escolha é “inaceitável”, então, como eles estavam dedicados a ele? Por que todas estas declarações contraditórias? Porque não existe uma única escritura que nos diga que o povo de Deus foi “dedicado” a ele, mas sim que ele estava em pacto com ele. Mas o que sobre nós hoje? Como essa idéia “fortemente entrincheirada” nos afeta, e mais importante, como Deus vê isso?
A dedicação é um requisito para que as orações sejam ouvidas?
Foi ensinado que, para que possamos ter um relacionamento com Deus e ter nossas orações favoravelmente ouvidas, devemos dedicar-se a ele. Aqui estão alguns exemplos do que a Sentinela disse sobre isso:
O devoto gentio Cornélio era um desses no primeiro século. Ele cria na existência de Deus e buscava-o seriamente. O que fez Cornélio ao adquirir conhecimento exato? Ora, dedicou-se de todo coração a Jeová Deus e simbolizou isso pelo batismo. Depois disso, ele aparentemente desenvolveu uma íntima relação com Deus, o que exerceria um efeito positivo em suas orações. –  Atos 10:1-44. Antes de ser batizado, as orações de Cornélio apenas ‘ascendiam como memória perante Deus’. (Atos 10:4) No entanto, Cornélio entregou-se a Jeová sem reservas, dedicando-se a Deus à base de sua fé no sacrifício de resgate de Jesus e batizando-se. Isto estabeleceu uma maravilhosa intimidade entre Deus e esse homem devotado – relação que concedia a Cornélio o irrestrito privilégio da oração. (Tiago 4:8) Ele podia aproximar-se de seu Pai celestial mediante Cristo Jesus na expectativa de ser ouvido. Dá-se o mesmo com todos os que se dedicam a Deus mediante Cristo e se batizam. Estes também gozam do irrestrito privilégio da oração. Você sem dúvida deseja que suas orações sejam respondidas. Portanto, caso não esteja servindo a Jeová como um de seus adoradores dedicados, quão sábio é buscá-lo seriamente! Adote um proceder semelhante ao de Cornélio, e Deus responderá às suas orações. – w90 15/01, 6 As orações de quem são respondidas? Alguns que antes pareciam estar progredindo à dedicação mais tarde parecem refrear-se. Se não amarem a Deus de coração o suficiente para fazerem uma dedicação sem reservas a Ele, devem perguntar a si mesmos se ainda têm o maravilhoso privilégio da oração. Aparentemente não, pois os que se aproximam de Deus têm de seriamente buscar a ele, e também a justiça e a mansidão. (Sofonias 2:3) Todo aquele que realmente teme a Jeová é um crente que faz uma dedicação a Deus e simboliza-a por ser batizado. (Atos 8:13; 18:8) E apenas crentes batizados têm o irrestrito privilégio de aproximar-se do Rei Eterno em oração. – w90 15/05, 12, Tema a Jeová, o Ouvinte de Oração
A Bíblia realmente ensina isso, a menos que uma pessoa se dedique sem reservas a Deus, suas orações não são ouvidas? Sabemos que a Watchtower reconhece que uma pessoa deve se aproximar de Deus em nome de Jesus; mas eles realmente estão nos dizendo que a ênfase está na dedicação? (João 14:13-14) Paulo diz: “Isso está de acordo com o propósito eterno que ele formou com relação ao Cristo, nosso Senhor Jesus, por intermédio de quem temos esta liberdade no falar e podemos nos aproximar de Deus livremente com confiança, por meio de nossa fé em Cristo.”. – Efeses 3: 11-12 O apóstolo Paulo explica que é por nossa em Jesus que Deus ouve nossas orações, não por causa de “uma dedicação sem reservas a ele”. Como Jeová vê alguém que restrinja nossa “liberdade no falar” e a possibilidade de se “aproximar de Deus livremente com confiança, por meio de nossa fé em [Jesus]”, ao fazer adições à sua Palavra, algo que ele peremptoriamente nos advertiu contra? – veja Provérbios 30:5-6; Deuteronômio 4:2 Outro ponto: antes de ser batizado, as orações de Cornélio apenas ‘ascendiam como memória perante Deus’? Cornelius dedicou-se a Deus e então simboliza essa dedicação pelo batismo? É isso que a Bíblia diz? Aqui está o raciocínio por trás dessa afirmação:
No ano 36 E.C., quando expirou o tempo de Deus para conceder favor especial aos judeus, Jeová Deus voltou sua atenção para os não-israelitas incircuncisos, os gentios, “a fim de tirar [deles] um povo para o seu nome” (Atos 15:14-18) Usando outra das “chaves”, Pedro foi enviado ao lar do centurião romano chamado Cornélio, que era bondoso para com o povo judaico. Estes gentios devem ter aceito o testemunho a respeito de Jeová Deus e seu glorificado Messias, pois o espírito santo caiu sobre eles e começaram a falar em línguas. Deus começara misericordiosamente a conceder “também a pessoas das nações o arrependimento com a vida por objetivo”, por meio de Jesus Cristo, “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. (Atos 11:18; João 1:29) Jeová também os havia aceito na sua nação espiritual à base da dedicação que fizeram a ele no seu coração. O espírito santo confirmou isso. Portanto, nenhum dos judeus cristianizados que acompanhavam Pedro podia objetar à sua ordem de que eles fossem “batizados no nome de Jesus Cristo”. Isto iniciou a “conversão de pessoas das nações”. (Atos 10:1-48; 15:3) Desde então, todos os que desejam servir a Deus, quer judeus, quer gentios, têm de fazer no coração uma dedicação a Jeová. E relacionado com o seu batismo em água, apresentam-se para fazer a vontade de Deus para com eles, imitando Jesus.. – w82 15/02 p.15, § 17, Dedicação – A quem? Por quê?
O espírito santo confirmou que Cornélio fez uma “dedicação” de si mesmo, e que Jeová o aceitou “na sua nação espiritual à base da dedicação”, e que também devemos dedicar-nos a Deus desde a época de Cornélio? Ele nos deu o exemplo? Onde está o apoio bíblico dessa afirmação? Observe como nosso pensamento é manipulado pelo fato de que o óbvio é apresentado primeiro, que é apoiado pelas escrituras. Sim, Pedro foi enviado para a casa de Cornélio; e sim, o espírito santo caiu sobre eles; e sim, novamente, eles foram batizados. Mas, onde há alguma menção a uma dedicação que o espírito santo se afirma ter confirmado? (Além disso, as pessoas das nações foram aceitas na nação espiritual de Deus “à base da dedicação que fizeram a ele no seu coração”, ou foi à base do sacrifício de Cristo, cujos benefícios agora também se estendiam aos gentios?) O raciocínio é que se aceitarmos a primeira parte como correta, nossas mentes aceitarão naturalmente a reivindicação de dedicação não fundamentada também. Não é isso que acusamos outras religiões e políticos de fazer na manipulação dos ouvintes? Agora que eles o convenceu de que o espírito santo confirmou a dedicação de Cornélio, feita em seu coração, é uma questão simples também convencer você de que você também deve se dedicar para que suas orações sejam ouvidas e ganhem salvação. A salvação é dependente da nossa dedicação? Consideraremos isso em seguida.
A dedicação é necessária para a salvação?
Estudar a Bíblia, aplicar o que se aprende, dedicar-se e ser batizado são passos que levam à salvação. – w97 15/08, p. 7 Salvação: seu significado real
Existem alguns assuntos da Bíblia que evocam fortes emoções em seus crentes. A cristandade tem sua Trindade. Perguntar a Trindade é questionar a própria identidade de Deus e negar a Jesus. Para eles, aceitar a Trindade é necessário para a salvação. É ensinado nas Escrituras? Nós argumentamos que não é; que nem a palavra nem a idéia são encontradas na Bíblia, e que aqueles que a ensinam estão torcendo as Escrituras. Mas temos nossa própria “Trindade”. O apóstolo Paulo pergunta: “então você, que ensina a outros, não ensina a si mesmo?” (Romanos 2:21) Se criticarmos o ensino da Trindade por causa da falta de um claro apoio bíblico, então por que nós somos tão zelosos quanto ao nosso próprio ensinamento sobre a dedicação, quando temos menos Escrituras para apoiar esta ideia? Veja a seguinte citação da Sentinela sobre o propósito do nosso batismo:
Com que objetivo?
Por que exigiu Jesus que seus discípulos fossem batizados? Porque era um símbolo adequado da sua dedicação de todo o coração a Deus. Deviam pregar as “boas novas” em toda a Terra, e deviam fazer discípulos de “pessoas de todas as nações”. (Mateus 24:14; 28:19) … Serem mergulhados na água mostra que os batizandos morreram para com um proceder de vida que antes girava em torno de si mesmos. Serem levantados da água simboliza que doravante vivem para fazer a vontade de Deus e que dão a isso o primeiro lugar na vida, assim como Jesus fizera. (Mateus 16:24)
O que fará você?
Quem realmente tiver tal amor e quiser ter uma relação especial com Jeová Deus não se refreará de dedicar sua vida sem reservas a Ele. O batismo é apenas um símbolo externo desta dedicação. É um passo necessário para a salvação. – w93 01/04, Pp 5-7 Deve você ser batizado?
Quantas Escrituras você encontrará para apoiar a afirmação acima da Sentinela de 1993? Que Escrituras você usa quando ensina seus estudos da Bíblia sobre POR QUE eles devem ser batizados? Atos 2:37, 38 simplesmente diz: “Quando ouviram isso, ficaram com o coração aflito e disseram a Pedro e aos outros apóstolos: ‘Homens, irmãos, o que devemos fazer?’ Pedro lhes disse: ‘Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos seus pecados, e vocês receberão a dádiva do espírito santo.’”. Por nossa “Dedicação e a simbolização dela pelo batismo”, não estamos ensinando que devemos ganhar a salvação? É o que dizem os seguintes artigos da Sentinela:
A dedicação e a nossa obrigação para com Deus
Alguns cristãos batizados precisam orar seriamente por não estarem vivendo à altura das obrigações ministeriais que assumiram ao se dedicarem a Deus. – w99 15/11, p. 19, stá cumprindo toda a sua obrigação para com Deus? Portanto, não importa quantos anos estejamos esperando ansiosamente o fim deste mundo iníquo, injusto e violento, temos de viver zelosamente à altura da nossa dedicação, de acordo com a nossa situação. – w98 15/06, p. 21, A organização de Jeová apóia seu ministério Portanto, cumpramos nossa dedicação a Jeová e não ‘retrocedamos para a destruição’. –  Hebreus 10:39 – w98 15/07, p. 19, Já entrou no descanso de Deus?
Os artigos não oferecem escrituras que mencionem a necessidade de qualquer dedicação. Nem você encontrará nada. Como a cristandade com a sua Trindade, citamos uma escritura e depois esticamos um pouco aqui e ali para que ela se encaixe apenas no que queremos dizer. E esperamos que os servos fiéis de Jeová aceitem isso. Mas, assim como dizemos aos outros, se não é encontrado na Bíblia, não é de Deus. E em um momento ou outro, ele entrará em conflito com a Palavra de Deus.
Somos declarados justos devido à nossa dedicação?
Ensinar que ganhamos a salvação devido à nossa dedicação contradiz o que a Bíblia ensina.
Efésios 2:4-7: ”Mas Deus é rico em misericórdia e, por causa do grande amor com que nos amou, 5 nos deu vida junto com o Cristo, mesmo quando estávamos mortos por causa das nossas falhas – por bondade imerecida vocês foram salvos. 6 Além disso, Deus nos levantou junto com ele e nos fez sentar junto com ele nos lugares celestiais em união com Cristo Jesus, 7 a fim de que, nos futuros sistemas de coisas, ele demonstre as riquezas extraordinárias da sua bondade imerecida por meio de sua benevolência para conosco, em união com Cristo Jesus.” Hebreus 2:9:

”Mas vemos a Jesus, que havia sido feito um pouco menor que os anjos, coroado agora de glória e honra por ter sofrido a morte, para que, pela bondade imerecida de Deus, provasse a morte por todos.” Gálatas 2:21: ”Eu não rejeito a bondade imerecida de Deus; pois, se a justiça vem por meio de lei, Cristo realmente morreu em vão.” Gálatas 5:4-5: ”Vocês que tentam ser declarados justos por meio de lei estão separados de Cristo; excluíram-se da bondade imerecida dele. Quanto a nós, por espírito aguardamos ansiosamente a esperada justiça que resulta da fé” Romanos 4:2-5: ”Por exemplo, se Abraão tivesse sido declarado justo em resultado de obras, ele teria razão para se orgulhar, mas não diante de Deus. Pois o que diz certa passagem das Escrituras? “Abraão depositou fé em Jeová, e isso lhe foi creditado como justiça.” Ora, o pagamento do homem que trabalha não é considerado como bondade imerecida, mas como algo que se deve a ele. Por outro lado, ao homem que não realiza obras, mas deposita fé Naquele que declara justo o ímpio, a sua fé é creditada como justiça.”

Não somos "separados de Cristo … excluídos da bondade imerecida dele", pela nossa insistência em que podemos receber a vida eterna apenas através de obras vivendo de acordo com a nossa dedicação? Nós também não estamos roubando Jeová enfatizando nossa dedicação em vez de sua bondade imerecida? Jeová nos deve qualquer coisa? Devemos ganhar a vida eterna? Como Paulo explica claramente, se devêssemos ser "declarados justos em resultado de obras", então teríamos o fundamento para se gabar, porque o ganhamos como pagamento de uma dívida e não como resultado da bondade imerecida de Deus. Ao ensinar que devemos "viver à altura das obrigações ministeriais” que assumimos quando fizemos uma dedicação a Deus, colocamos um pesado fardo para todos os que querem agradar a Deus. E, é claro, aqueles em cargos responsáveis são livres de definir, por meio de suas muitas publicações, o que envolve a nossa dedicação. (Mateus 11:30; 23: 4) Note como eles se vangloriam de fazer isso:
Todos os anos, as gráficas da Sociedade Torre de Vigia (EUA), e suas congêneres, fornecem às Testemunhas de Jeová milhões de Bíblias, livros, brochuras e revistas para uso na sua pregação mundial. Essas entidades legais, portanto, são inestimáveis em ajudar os servos dedicados de Deus a levar uma vida em harmonia com a dedicação a ele. – w98 15/03, p. 18, Uma vida em liberdade à altura da dedicação cristã Se estes concordarem em que o publicador não-batizado tem um entendimento razoável dos ensinos bíblicos e tem as outras qualificações, eles o informarão de que pode ser batizado. Em resultado da sua dedicação e do batismo, ele fica ‘marcado’ para a salvação. –  Ezequiel 9:4-6 – w96 15/01, p. 17, § 9, As ovelhas de Jeová necessitam de terno cuidado
Curiosamente, o texto diário para quinta-feira, 14 de janeiro de 2010, observou o seguinte em contraste com as citações acima: “Os humanos pecaminosos não podem ganhar a vida eterna à base de seus esforços imperfeitos de fazer o que é certo. (Isa. 64:6) Ganhar a vida eterna é possível apenas por depositar fé na amorosa provisão divina de salvação por meio de Jesus Cristo. Deixe-nos fazer tudo o que pudermos para mostrar nosso apreço por essa bondade imerecida de Deus! – w08 15/6 2:2, 3“ Por que a contradição? Se não podemos “ganhar a vida eterna à base de [nossos] esforços imperfeitos de fazer o que é certo”, e que nossa salvação se deve à “bondade imerecida de Deus”, então por que a insistência em viver de acordo com nossa dedicação? Pode ser que não estamos confusos com a identidade de Jesus e DEUS, mas quando se trata do resgate e da salvação, estamos confusos e pelo mesmo motivo que a cristandade é sobre a sua Trindade; nós quebramos “a regra” sobre não ir além do que está escrito. (1 Coríntios 4:6; Deuteronômio 12:32) Considerando que a Trindade da Cristandade desvia a honra de Jeová e concede-a a seu Filho, nossa “Dedicação” desvia a honra de Jeová e seu Filho e confere-a a nós mesmos. Provérbios 30: 5,6 também diz: “Toda declaração de Deus é pura … Não acrescente nada às palavras dele, senão ele o repreenderá, e ficará claro que você é um mentiroso”.
Ensinar que ganhamos a salvação devido à nossa "dedicação a Deus" equivale a negar o resgate. (Gálatas 2:21)
O tempo se aproxima rapidamente quando Jeová esclarecerá qualquer falso ensinamento entre o povo sobre a nossa salvação, pois "os verdadeiros adoradores adorarão o Pai com espírito e verdade. Pois, realmente, o Pai está procurando a esses para o adorarem". (João 4:23, 24) Não, não podemos ganhar a salvação devido a obras por meio de nossa dedicação sem reservas. Mas, sim, ganhamos a vida eterna ao exercer a fé na provisão do resgate, o sangue de Jesus derramado. Isso incluirá todos os que voltarão na ressurreição. Mas a Watchtower insiste que eles também devem ganhar a salvação:
Todos os ressuscitados terão de fazer algo para que a sua ressurreição seja a de vida e não a de julgamento adverso. Terão de ir aos pátios terrestres do templo de Jeová Deus e curvar-se em dedicação a Ele por meio de Jesus Cristo. Os ressuscitados que se negarem a fazer isso sofrerão o mesmo flagelo que sobrevém às nações atuais. (Zacarias 14:18) – w96 1/7, p. 22-3, Aproxima-se o triunfo da adoração verdadeira
Nossa trindade de dedicação, batismo e salvação causou grande sofrimento. É o meio pelo qual somos julgados por nossos irmãos, e nós os julgamos. (Mateus 7:1, 2; Romanos 14:4) Nós medimos e comparamos a espiritualidade um do outro com isso, vendo o quão bem todos estão vivendo até a sua dedicação; publicadores nas congregações, congregações dentro do circuito e os circuitos com a média nacional. E, no entanto, não é de Deus, pois nada é ensinado nas Escrituras. O que é ensinado, porém, é que NÃO devemos julgar, medir ou comparar. (Romanos 14:10; Gálatas 5:26; 6:4) E assim fizemos a Palavra de Deus inválida por nossas tradições. Agora isso é algo com o qual se preocupar! (Mateus 15:6-9)
Podemos dedicar a Deus o que já lhe pertence?
Nós não nos pertencemos. Nós pertencemos a Deus porque ele nos comprou por um preço. Veja como a Sociedade salienta este ponto:
Parte deste arrependimento e dar meia-volta inclui o que Jesus chamou de ‘negar-se a si mesmo’. (Mateus 16:24) Quer dizer, não mais vivemos apenas segundo os nossos próprios desejos egoístas, sem nos preocuparmos com a vontade e os propósitos de Deus. Em vez disso, reconhecemos que Jeová Deus tem pleno direito sobre a nossa vida, por ser nosso Criador e nosso Adquirente, por meio do sacrifício resgatador de seu Filho. Como o expressa a Bíblia, ‘não pertencemos a nós mesmos, porque fomos comprados por um preço’. (1 Coríntios 6:19, 20) – Verdadeira Paz e Segurança , p. 179-80, Capítulo 16, A escolha que assegura a vida em verdadeira paz e segurança
Uma vez que é reconhecido que já pertencemos a Deus, "porque fomos comprados por um preço", e ele "tem pleno direito sobre a nossa vida", como podemos dedicar a Deus o que não nos pertence, mas já pertence a ele de qualquer maneira? Estou enfatizando esse ponto porque a Watchtower parece ter confuso a questão pelo ensino sobre a dedicação. Alguns exemplos (os artigos da Sentinela foram traduzidos do inglês):
Devido a nossa dedicação a Jeová Deus, pertencemos a ele, sendo seus filhos adotados ou seus futuros netos. Jeová Deus e nós temos interesses mútuos, o principal dos quais é a reivindicação do nome de Jeová e, secundariamente, a nossa própria salvação. Estamos preocupados com a reivindicação de Deus e ele com a nossa salvação. – w63 2/15 113. Talking with God (ed. Inglesa) De tudo o que precede, pode-se ver que a sociedade do Novo Mundo das Testemunhas de Jeová tem tido muito cuidado em deixar claro para todos os candidatos para o batismo que eles estavam sendo mergulhados na água só porque antes, antes ou muito antes, decidiram di pertencem a Jeová Deus e, consequentemente, se dedicaram deliberadamente e de forma inteligente a Deus através da fé em Jesus Cristo. – w64 2/15 126. Did You Make an Acceptable Dedication to God? (Ed. Inglesa) Contudo, você precisa fazer mais do que dizer a Jeová em particular que deseja pertencer-lhe. Precisa mostrar diante de outros que fez uma dedicação para servir a Deus. Como poderá fazer isso? Por ser batizado em água. Tal batismo em água é uma demonstração pública de que a pessoa dedicou sua vida a Jeová e se está apresentando para fazer a Sua vontade. – Poderá Viver Para Sempre 251-2, Capítulo 30, O que você precisa fazer a fim de viver para sempre
As citações acima (e há muito mais) ensinam que pertencemos a Deus por causa de nossa dedicação. Mas não estamos dedicando a Deus o que já lhe pertence, se de fato fomos comprados por um preço? Ainda mais repreensível: não estamos ao mesmo tempo negando o valor do sacrifício de Jesus, se ensinarmos que é por nossa dedicação que pertencemos a Deus? Outro ponto importante: estamos roubando Jeová ao minimizar o que ele fez – nos comprou com um preço – em favor do que estamos fazendo dedicando-nos. Não estamos enfatizando o nosso próprio amor por Deus, em vez de seu amor por nós? (Malaquias 3:8, 9) Quão diferente esta atitude é da que expressa o apóstolo João: “Por meio disto se revelou o amor de Deus em nosso caso: Deus enviou o seu Filho unigênito ao mundo para que ganhássemos a vida por meio dele. 10 O amor consiste no seguinte: não que nós tenhamos amado a Deus, mas que ele nos amou e enviou seu Filho como sacrifício propiciatório pelos nossos pecados.”. – 1 João 4:9, 10. Consideremos também como fizemos a Palavra de Deus inválida por nossa doutrina de dedicação quando se trata da santidade do casamento. (Mateus 15:3-9)
O seu casamento é o segundo em importância em relação à sua dedicação?
Houve uma ocasião em que Jesus se referiu a algo como dedicado a Deus. Vamos ler sobre isso em Mateus 15:3-6:
Em resposta, ele lhes disse: “E por que vocês transgridem o mandamento de Deus por causa da sua tradição? Por exemplo, Deus disse: ‘Honre seu pai e sua mãe’ e ‘Quem amaldiçoar seu pai ou sua mãe seja morto’. Mas vocês dizem: ‘Quem disser ao seu pai ou à sua mãe: “Tudo o que eu tenho que poderia beneficiá-lo é uma dádiva dedicada a Deus”, esse de modo algum precisa honrar seu pai.’ Assim vocês invalidaram a palavra de Deus por causa da sua tradição.”
Os judeus tinham a tradição de que uma pessoa poderia dedicar coisas a Deus, dando-a como presente ao templo. Jeová não exigiu, mas não houve nada de errado com isso. O que estava errado, no entanto, era a sobreposição dos próprios mandamentos de Deus no processo, como Jesus ressaltou. O quarto mandamento disse: "Honre seu pai e sua mãe …” (Êxodo 20:12) Os líderes religiosos ensinaram que Deus deveria vir primeiro na vida de uma pessoa e, portanto, à frente dos pais. Portanto, dedicar algo a Deus pelo qual os pais poderiam ter se beneficiado foi visto como uma coisa boa. Colocar Deus na frente de seus pais parece uma coisa louvável, não é? No entanto, Jesus condenou-os por isso. Ele disse a eles: "vocês invalidaram a palavra de Deus por causa da sua tradição”. E então ele continuou dizendo:
”Hipócritas! Isaías profetizou apropriadamente a respeito de vocês, quando disse: ‘Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está muito longe de mim. 9 É em vão que continuam a me adorar, pois ensinam as regras de homens como doutrinas’”. – Mateus 15:7-9
Deus os via como hipócritas porque estavam quebrando seus mandamentos para manter seus próprios. Sua adoração foi em vão porque eles estavam “ensinando as regras de homens como doutrinas”. Como eles poderiam esperar que Jeová aceitasse isso? Veja como fizemos as coisas ainda pior do que o exemplo que Jesus usou acima, por nossa doutrina de dedicação. O relacionamento de marido e mulher é muito mais próximo do que um homem e seus pais. Sobre este, Jesus disse: “Por essa razão o homem deixará seu pai e sua mãe e se apegará à sua esposa, e os dois serão uma só carne” – Mateus 19: 5 Isso é o que Despertai! disse sobre isso:
Jesus tornou isso claro quando lhe perguntaram se era correto se divorciar. Ele declarou: “Não lestes que [Deus] que os criou desde o princípio os fez macho e fêmea, e disse: ‘Por esta razão deixará o homem seu pai e sua mãe, e se apegará à sua esposa, e os dois serão uma só carne’? De modo que não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus pôs sob o mesmo jugo, não o separe o homem.” – Mateus 19:4-6
Imediatamente após o parágrafo acima, porém, o artigo continua dizendo:
Tem-se dito corretamente que, para o cristão, a coisa mais importante na vida depois da dedicação a Deus é o casamento. Por meio da dedicação, a pessoa assume um compromisso vitalício com o Criador, tornando isso público pelo batismo. Já o casamento é uma declaração pública do compromisso que se assume com outra pessoa – para sempre. É inconcebível alguém dedicar-se a Deus ou casar-se com reservas. Assim sendo, os que pensam em se casar devem analisar com cuidado as crenças, os alvos, a atitude e o temperamento do futuro cônjuge. – Despertai! 8/2, 2002 O casamento deve ser um vínculo permanente
Isso é verdade? para o cristão, o casamento é a coisa mais importante na vida depois da dedicação a Deus? Parece uma coisa louvável! Mas é isso o que Jeová diz, ou qualquer um dos escritores da Bíblia? É mais provável a opinião pessoal de algum irmão único no Corpo Governante, porque contradiz absolutamente a visão de Deus sobre o casamento, que é expressa em Gênesis 2:24; Mateus 19:4-6; Efésios 5:28-31, 33, além de muitas outras escrituras sobre o relacionamento de marido e mulher. Jeová expressou claramente sua visão sobre o acordo matrimonial, mas onde ele diz alguma coisa sobre uma dedicação a ele? Nós fizemos algo que NÃO é ensinado nas Escrituras mais importante do que algo que é claramente ensinado? Não é a mesma razão que Jesus condenou os líderes religiosos? Eles ensinaram que Deus deveria vir primeiro na vida de uma pessoa, mesmo que isso significasse quebrar a lei de Deus, e não é isso que estamos fazendo por meio de nossa dedicação? É nossa doutrina, nossa tradição. Vejamos como fizemos a palavra de Deus inválida por meio disso:
O absoluto perigo à espiritualidade também provê base para a separação. O crente num lar dividido em sentido religioso deve fazer todo o possível para aproveitar-se das provisões espirituais de Deus. Mas, permite-se a separação caso a oposição do cônjuge descrente (talvez incluindo coibição física) realmente impossibilite praticar a adoração pura e deveras puser em risco a espiritualidade do crente. No entanto, que dizer se existir uma condição espiritual muito doentia num lar em que ambos os cônjuges são crentes? Os anciãos devem prestar ajuda, mas especialmente o marido batizado deve empenhar-se com diligência para remediar a situação. Naturalmente, se um cônjuge batizado age como apóstata e tenta impedir que seu parceiro sirva a Jeová, os anciãos devem tratar o caso à luz da Bíblia. Se ocorrer a desassociação em casos que envolvam absoluto perigo à espiritualidade, deliberada recusa de prover o sustento ou maus-tratos físicos extremos, o cristão fiel que buscasse a separação legal não estaria violando o conselho de Paulo sobre levar um crente ao tribunal. –  1 Coríntios 6:1-8. – w88 1/11 22-3 Quando a paz conjugal estiver ameaçada Deve-se notar também que as palavras da Bíblia em 1 Coríntios 7:10-16, ao passo que incentivam os cônjuges a permanecerem juntos, dão margem à separação. Alguns, após fazerem um grande esforço para preservar o casamento, sentem que não há outra escolha senão a separação. Quais são algumas das razões biblicamente aceitáveis para se dar tal passo? Um dos motivos é a recusa deliberada de sustentar a família. … (1 Timóteo 5:8) … Outra razão para a separação são extremos maus-tratos físicos … (Gálatas 5:19-21; Tito 1:7; Salmo 11:5). Outra razão para a separação é a ameaça absoluta à espiritualidade do cristão – a relação da pessoa com Deus. Alguns acharam necessário separar-se quando a oposição do cônjuge, talvez incluindo restrições físicas, lhes tornava impossível seguir a adoração verdadeira e colocava em risco a sua espiritualidade.* – Mateus 22:37; Atos 5:27-32. – g02 8/2 10 O casamento deve ser um vínculo permanente, [Quadro, Título: Divórcio E Separação]
Somos ensinados que temos “fundamentos bíblicos” para romper um casamento se nossa espiritualidade estiver em perigo, porque “para o cristão, a coisa mais importante na vida depois da dedicação a Deus é o casamento”. E nós realmente acreditamos que Jeová está satisfeito com isso? Isso é muito pior do que Jesus condenou os fariseus em Mateus 15. Você conhece alguma separação matrimonial com base neste ponto? Conheço quem está fazendo “melhor na verdade” depois de se separarem. Outros usaram isso como uma desculpa para sair de um casamento infeliz. É isso que agrada a Jeová? Foi em conexão com algo dedicado a Deus que Jesus pronunciou estas palavras:
Vocês invalidaram a palavra de Deus por causa da sua tradição. Hipócritas! Isaías profetizou apropriadamente a respeito de vocês, quando disse: “Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está muito longe de mim. É em vão que continuam a me adorar, pois ensinam as regras de homens como doutrinas.” – Mateus 15:6-9
O batismo é relacionado à dedicação?
Conhecer Jeová é amá-lo. Ele é tudo o que podemos imaginar em nosso pai e melhor amigo. Ao se familiarizar melhor com ele, você chegará ao ponto em que deseja fazer algo sobre seu amor por ele. Mas o que? Nos sentimos tão inadequados. O que podemos realmente dar a Deus? Como podemos mostrar de forma positiva apenas o quanto o amamos? Se você tivesse alguém ajudá-lo a conhecer a Jeová através de um estudo da Bíblia, em breve você será informado de que você deve se dedicar a Deus. Ah, não é essa uma maneira positiva de demonstrar seu amor pelo seu Criador? Uma vez que você fez uma dedicação de si mesmo a Deus, você é instruído a simbolizar essa dedicação pelo batismo na água. Mas primeiro você deve rever o que aprendeu com alguns anciãos em sua congregação, pois eles querem discernir se você está pronto para o compromisso que a dedicação a Deus implica. Você também deve estar ocupado no obra de testemunho. Uma vez satisfeitos com a sua qualificação, você está pronto para ser batizado na próxima assembléia. Todos os que se apresentarem para serem batizados terão duas perguntas:
  1. À base do sacrifício de Jesus Cristo, você se arrependeu dos seus pecados e se dedicou a Jeová para fazer a vontade dele?
  2. Compreende que sua dedicação e batismo o identificam como uma Testemunha de Jeová, associada à organização de Deus, que é dirigida por Seu espírito?
A partir daí, espera-se que você atenda a sua dedicação e todas as responsabilidades que acompanham, que aceitou de bom grado e, assim, você entende que Deus o abençoará com a vida eterna. A Sentinela de 1956 de 1 de julho, página 399, parágrafo 14, (edição em inglês) diz sob o artigo de estudo: “O que significa dedicação para mim”: “É verdade que a dedicação coloca uma pesada carga de responsabilidade em um. E a fidelidade em carregar essa carga é obrigatória! “(traduzido do inglês) E como você carrega essa carga pesada, você acredita que está seguindo o exemplo que Jesus estabeleceu para nós. No entanto, há aqueles que estudaram a Bíblia e conheceram e amam Jeová, mas sentem que não estão em condições de assumir uma “pesada carga de responsabilidade” que vem com uma dedicação. (compare Mateus 11: 28-30) Eu conheci um número ao longo dos anos que foram fiéis atendentes de reunião por até vinte anos ou mais sem dar o passo do batismo. Eles sentem que é melhor não fazer um voto do que fazer um e quebrá-lo. – Eclesiastes 5:5 Quão diferente foi isso no primeiro século. Aqueles que ouviram Pedro em Pentecostes e “aceitaram com alegria as suas palavras foram batizados”, tanto quanto três mil naquela ocasião. (Atos 2:41) Não houve atraso. Considere alguns outros exemplos:
Mas acreditaram em Filipe quando ele lhes declarou as boas novas a respeito do Reino de Deus e do nome de Jesus Cristo, e tanto homens como mulheres foram batizados. – Atos 8:12 O eunuco disse então a Filipe: “Por favor, diga-me: De quem o profeta está falando? De si mesmo ou de outro homem?” Filipe começou a falar e, partindo daquela passagem das Escrituras, declarou-lhe as boas novas a respeito de Jesus. Ao seguirem pela estrada, chegaram a um lugar onde havia água, e o eunuco disse: “Veja! Aqui há água! O que me impede de ser batizado?” – Atos 8:12 Uma mulher estava escutando: ela se chamava Lídia, era vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e adoradora de Deus. E Jeová lhe abriu amplamente o coração para prestar atenção ao que Paulo estava falando. Então, depois que ela e os da sua casa foram batizados, ela insistiu: “Se vocês me consideram fiel a Jeová, venham ficar na minha casa.” E ela simplesmente nos fez ir. – Atos 16:14, 15 Ele os levou para fora e perguntou: “Senhores, o que tenho de fazer para ser salvo?” Eles responderam: “Creia no Senhor Jesus e será salvo, você e os da sua casa.” E falaram a palavra de Jeová a ele e a todos os da sua casa. Ele os levou consigo naquela hora da noite e lavou seus ferimentos. Então ele e todos os da sua casa foram batizados sem demora. Ele os levou à sua casa e pôs a mesa para eles, e ele e todos os da sua casa se alegraram muito por terem crido em Deus. – Atos 16:30-34
Você nota nos exemplos bíblicos acima que os crentes foram batizados sem demoras? Você vê alguma menção de eles ter que se “dedicar” primeiro a Deus e ter que pesar as responsabilidades que dão essa dedicação? O batismo de água é relacionado à consagração? O que a Bíblia diz sobre esse assunto?
Água purificadora de pecado
Consideremos algumas escrituras sobre como a água foi usada em conexão com a oferta pelo pecado no pacto da Lei.
Jeová disse mais a Moisés: “Separe os levitas dentre os israelitas e purifique-os. É assim que você deve purificá-los: Faça aspersão da água purificadora de pecado sobre eles, e eles devem raspar o corpo inteiro com uma navalha, lavar suas roupas e se purificar. – Números 8:5-7 Um homem que estiver puro recolherá as cinzas da vaca e as colocará num lugar puro fora do acampamento, e elas devem ser guardadas pela assembleia de Israel para preparar a água que será usada para purificação. É uma oferta pelo pecado … Todo aquele que tocar no cadáver de uma pessoa e não se purificar estará profanando o tabernáculo de Jeová, e ele será eliminado de Israel. Ele continua impuro, visto que a água da purificação não foi aspergida sobre ele. Ele permanece no seu estado impuro. … Quem no campo aberto tocar em alguém que foi morto à espada, ou num cadáver ou osso humano, ou numa sepultura, ficará impuro por sete dias. Deve-se pegar para o impuro um pouco das cinzas da oferta pelo pecado que foi queimada, colocar num recipiente e derramar sobre elas água tirada de uma fonte. Então um homem que estiver puro pegará hissopo, o mergulhará na água e aspergirá a água sobre a tenda, sobre todos os recipientes, sobre as pessoas que estavam lá e sobre aquele que tocou num osso, num homem que foi morto, num cadáver ou numa sepultura. Aquele que estiver puro aspergirá a água sobre aquele que estiver impuro, no terceiro e no sétimo dia; e no sétimo dia o purificará de pecado. Então o impuro deve lavar suas roupas e se banhar em água, e ao anoitecer ficará puro. … Mas o homem que estiver impuro e que não se purificar, esse homem será eliminado da congregação, visto que profanou o santuário de Jeová. A água da purificação não foi aspergida sobre ele, por isso ele está impuro. … Isto será um decreto permanente para eles: aquele que aspergir a água da purificação deverá lavar suas roupas, e aquele que tocar na água da purificação ficará impuro até o anoitecer. Qualquer coisa em que o impuro tocar ficará impura, e a pessoa que tocar nela ficará impura até o anoitecer. – Números 19:9, 13, 16-21
Por que Jeová exigiu uma purificação cerimonial tão elaborada com água? Dizem-nos que a lei era apenas “uma sombra das coisas boas que viriam, mas não a própria realidade”, pois “a realidade pertence ao Cristo” (Colossenses 2:17; Hebreus 10:1) – Para mais informações, veja a caixa “É necessário ser batizado para sobreviver ao Armagedon?”
Você percebeu nas escrituras acima que a “da purificação” deveria fazer uma pessoa pura aos olhos de Deus? Que era um homem puro que costumava administrar a água da purificação para o pecado contra a pessoa impura e, assim, o homem impuro tornou-se puro? Observe também a parte que a “oferta pelo pecado” desempenhada neste. Diante disso, podemos ver por que Ananias disse a Saul, que se tornou o apóstolo Paulo: “E agora, o que está esperando? Levante-se, seja batizado e lave os seus pecados por invocar o nome dele.”? – Atos 22:16 Considere outra escritura que mostre como Jeová viu o uso da água para a purificação de su povo rebelde. Isaías 1:16, 18: “Lavem-se, limpem-se, removam de diante dos meus olhos a sua maldade; parem de fazer o mal … Venham, pois, e resolvamos as questões entre nós”, diz Jeová. “Embora os seus pecados sejam como escarlate, serão tornados brancos como a neve”. A “lavagem” figurativa deles simbolizava a remoção de “sua maldade”, parando “de fazer o mal”, e resultaria em seus pecados sendo perdoados e sendo vistos como limpos aos olhos de Deus. Isto é mais ilustrado em Apocalipse 7:14, onde a grande multidão, que sai da grande tribulação, é representada como lavando suas vestes e tornando-as brancas (“como a neve”) no sangue do Cordeiro, tendo assim o seu pecados perdoados e desfrutando de uma posição aceitável e limpa perante Deus. Jesus também ilustrou como a água purifica a pessoa quando lavou os pés de seus discípulos, dando uma lição de humildade. “Então chegou a Simão Pedro. Este lhe disse: ‘Senhor, vai lavar os meus pés?’ Jesus lhe respondeu: ‘O que estou fazendo, você não entende agora, mas entenderá depois dessas coisas.’ Pedro lhe disse: ‘O senhor nunca lavará os meus pés.’ Jesus disse então: ‘Se eu não lavar você, você não tem parte comigo.’ Simão Pedro lhe respondeu: ‘Senhor, então lave não só os meus pés, mas também as minhas mãos e a minha cabeça.’ Jesus lhe disse: ‘Quem se banhou está completamente limpo e não precisa lavar nada, só os pés. E vocês estão limpos, mas nem todos.’ Pois ele sabia quem o estava traindo. É por isso que disse: ‘Nem todos vocês estão limpos.’” – João 13:6-11 Aqui, Jesus não estava falando sobre eles tendo tomado banho, mas sim pelo batismo que eles tinham com João Batista, que “estava no deserto, pregando o batismo em símbolo de arrependimento (uma mudança da mentalidade para o melhor, modificando sinceramente seus modos de agir e com aversão aos pecados passados) para o perdão de pecados” (Marcos 1:4, 5) Para Jeová, eles eram puros pelo arrependimento e pelo batismo, mas não todos, como Jesus disse referindo-se a Judas. Judas também tinha sido batizado, mas ele não era mais puro porque ele se tornara um ladrão e estava prestes a trair Jesus. – veja Êxodo 40: 30-32 Quanto a João Batista, nos dizem que ele “naqueles dias foi pregar no deserto da Judeia, dizendo: ‘Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo.’ E o povo de Jerusalém, de toda a Judeia e de toda a região em volta do Jordão ia ao encontro dele, e eles eram batizados por ele no rio Jordão, confessando abertamente os seus pecados. Quando ele viu muitos fariseus e saduceus se aproximarem do local do batismo, disse-lhes: ‘Descendência de víboras, quem disse que vocês podem fugir da ira que virá? Portanto, produzam fruto próprio do arrependimento. Eu batizo vocês com água, por causa do seu arrependimento …” – Mateus 3:1, 2, 5-8, 11 Por favor, note que o batismo de João foi para o arrependimento dos pecados, não para o perdão deles. O arrependimento vem antes do perdão. Na verdade, sem arrependimento não há perdão. (Lucas 13:3, 5; 2 Pedro 3:9) É por isso que João Batista foi enviado por Jeová para preparar o caminho, para ter um povo arrependido e puro cujos pecados seriam perdoados uma vez que o resgate foi pago pelo sangue de o próprio Filho de Deus, e sua fé exercitada nesse sangue. (Marcos 1:2-4; Atos 13:24; Hebreus 9:11-14; 10:21-22) Após a morte de Jesus, o batismo já não era apenas para o arrependimento dos pecados, mas também para o perdão deles. É por isso que o batismo de João não era mais válido após a morte de Jesus. Aqueles que haviam sido batizados por João não precisavam ser batizados de novo, conforme Jeová aceitou seu arrependimento e os considerava limpos, simbolizados pela água, e perdoavam seus pecados com a morte de seu Filho. O batismo desde a morte de Jesus é o arrependimento e o perdão dos pecados. (Atos 2:38; 19:3-5; Hebreus 9:22) Então, vemos que o batismo em água é um símbolo apropriado de nosso arrependimento sincero e que nós somos purificados de nossos pecados. É verdade que ganhamos perdão de nossos pecados apenas exercendo fé no sacrifício de resgate de Jesus (lavando nossas vestes no “sangue do Cordeiro”, Apocalipse 7:14), mas é no momento do nosso batismo que os benefícios do resgate são aplicados para nós. O batismo em água é um requisito de Deus. Submetê-lo demonstra obediência, humildade, fé e o desejo de ter uma consciência limpa em relação ao nosso Criador. (Hebreus 10:19-22) Sem o batismo não há purificação e, portanto, sem perdão de pecados. (veja Números 19:20) “Pedro lhes disse: ‘Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos seus pecados …’” – Atos 2:38. Daí o comando para batizar e ser batizado. (Mateus 28:19) “O batismo, que corresponde a isso, também salva vocês agora (não pela remoção da sujeira da carne, mas pela solicitação de uma boa consciência a Deus), por meio da ressurreição de Jesus Cristo.” – 1 Pedro 3:21 O batismo não é sobre a dedicação. A dedicação não é mencionada, nem definida, em qualquer lugar nas Escrituras. Mas, se o batismo tem a ver com o perdão dos pecados, então, por que Jesus foi batizado desde que ele não cometeu pecados e, portanto, não tinha nada para se arrepender? O apóstolo Pedro nos diz: “De fato, para isso vocês foram chamados, porque o próprio Cristo sofreu por vocês, deixando um modelo para seguirem fielmente os seus passos. Ele não cometeu pecado, nem se achou falsidade na sua boca. Ele mesmo levou os nossos pecados no seu próprio corpo, no madeiro, para que morrêssemos para os pecados e vivêssemos para a justiça. E ‘pelos ferimentos dele vocês foram curados’.” – 1 Pedro 2:21, 22, 24 Sim, Jesus “levou os nossos pecados no seu próprio corpo”. Como “Cristo morreu por nossos pecados”, sofreu pelos nossos pecados, ele também foi batizado pelos nossos pecados, que ele levou em seu próprio corpo. (Isaías 53:2-12; 1 Coríntios 15:3) Isto cumpriu todos os requisitos da lei de acordo com a aliança. O Tabernáculo, o sumo sacerdote ungido, os sacrifícios no templo e todos os requisitos necessários em relação à oferta dos sacrifícios, incluindo a sua purificação com água, foram “nosso tutor que conduz a Cristo”. (Gálatas 3:19, 24-25, Hebreus 8:1-6; 9:6-14) Parece razoável que seu batismo, o momento em que ele foi ungido e se tornou o Messias, e com o qual ele começou seu ministério e o cumprimento da lei, não foi prefigurado em qualquer parte da Lei? O batismo de Jesus o preparou para o sacrifício de seu corpo humano perfeito, a oferta pelo pecado em nome da humanidade. Outro ponto a considerar: quando somos batizados, não devemos nos concentrar no amor de Deus por nós e no amor de seu Filho e pela provisão de resgate pelo qual obtemos perdão de pecados e um relacionamento privilegiado com nosso Pai celestial em vez de enfatizar o nosso amor por Deus e o que estamos fazendo e faremos, como é o caso da dedicação?
”Não encontramos a palavra dedicação nas escrituras gregas”
O conceito de dedicação, ou consagração, ao Divino não é exclusivo das testemunhas de Jeová. Isto é o que a Enciclopédia Católica, sob “Consagração”, escreve (traduzido do inglês):
A consagração, em geral, é um ato pelo qual uma coisa é separada de um uso comum e profano para um uso sagrado, ou pelo qual uma pessoa ou coisa é dedicada ao serviço e ao culto de Deus por orações, ritos e cerimônias. O costume de consagrar as pessoas ao serviço divino e as coisas para servir na adoração de Deus podem ser atribuídos aos tempos mais remotos. Encontramos ritos de consagração mencionados no culto inicial dos egípcios e outras nações pagãs. Entre as tribos semíticas consistiu no triplo ato de separar, santificar ou purificar, e dedicar ou oferecer à Divindade.
A Enciclopédia afirma que Moisés designou a nação de Israel como o povo de Deus “por um ato solene de consagração”. Sobre o sacerdócio de Aarão e o dos levitas, diz:
Mais tarde, lemos sobre a consagração dos sacerdotes – Aaron e seus filhos (Êxodo 29) – que haviam sido previamente ungidos (Êxodo 28). Aqui temos o ato de consagração consistente em purificação, investimento e unção (Leviticus 8) como preparação para a oferta de sacrifícios públicos … Distinto da consagração sacerdotal é o dos levitas (Números 3: 6) que representam o primogênito de todas as tribos. O rito de sua consagração é descrito em Números, viii …
Quanto aos romanos pagãos, a enciclopédia continua dizendo:
Entre os romanos, tudo o que foi dedicado ao culto de seus deuses (campos, animais, etc.) foi dito consagrado, e os objetos que pertenciam intimamente à sua adoração (templos, altares, etc.) foram ditos dedicados. Contudo, estas palavras eram freqüentemente usadas indiscriminadamente e, em ambos os casos, entendeu-se que o objeto, uma vez consagrado ou dedicado, permaneceu sagrado em perpetuo.
Com base em seus próprios ensinamentos de dedicação e consagração, a Igreja Católica adotou uma variedade de costumes em conexão com ele.
A Igreja distingue a consagração da bênção, tanto em relação às pessoas como às coisas. Daí, as celebração pontifical romano da consagração de um bispo e da benção de um abade, da benção de uma pedra angular e da consagração de uma igreja ou altar. Em ambos, as pessoas ou coisas passam de uma ordem comum, ou profana, para um novo estado, e se tornam os sujeitos ou os instrumentos da proteção Divina. Em uma consagração, as cerimônias são mais solenes e elaboradas do que em uma benção. O ministro comum de uma consagração é bispo, enquanto o ministro comum de uma benção é sacerdote. Em cada consagração, os óleos sagrados são usados; numa bênção habitualmente é usada a água sagrada. O novo estado a que a consagração eleva pessoas ou coisas é permanente, e o rito nunca pode ser repetido, o que não é o caso em uma benção; as graças que são atribuídas à consagração são mais numerosas e eficazes do que aquelas que estão unidas a uma benção; a profanação de uma pessoa ou coisa consagrada traz consigo uma nova espécie de pecado, a saber, o sacrilégio, que a profanação de uma pessoa ou coisa abençoada nem sempre faz. De consagração própria, o Pontifício Romano contém uma pessoa, que é um bispo e quatro coisas, isto é, um altar fixo, uma pedra de altar, uma igreja e um cálice e paten. A consagração de uma igreja também é chamada de dedicação (q.v.) de acordo com a distinção entre consagração e dedicação entre os antigos romanos apontados acima.
Charles Taze Russell também sustentou a idéia de que devemos ser consagrados a Deus. Isto é o que a Sentinela de 15 de janeiro de 1989, página 18, escreveu sob o título “Como o batismo nos pode salvar”:
Em 1914, C. T. Russell (então presidente da Sociedade Torre de Vigia, dos EUA) recebeu uma carta dum concristão que perguntava se seu filho de 12 anos devia ser instado a fazer uma dedicação a Deus. “Se eu fosse o irmão”, respondeu Russell, “eu não lhe forçaria a consagração [dedicação], mas a apresentaria a ele como o único proceder correto para todas as pessoas de raciocínio que vieram a ter conhecimento de Deus e de seus graciosos propósitos … Sem a consagração ninguém jamais ganhará a vida eterna … O seu filho não será prejudicado pela consagração, mas sim grandemente ajudado. … Quem pode dizer que uma criança de dez anos não pode mui total e completamente vir a apreciar a plena consagração em pensamento, em palavra e em ações? Lembro-me de que minha total consagração foi feita um pouco mais tarde – depois dos doze anos de idade.”
Em 1952, a Sociedade Watchtower reexaminou a questão da consagração e definiu de forma mais completa o que envolvia. Foi assim que foi explicado (na edição inglesa):
O que este batismo de água simbolizou sempre foi claramente compreendido e explicado pelas testemunhas de Jeová, embora tenha havido uma mudança na terminologia. Nos tempos passados, o que agora chamamos de “dedicação” costumava ser chamado de “consagração”. Foi chamado de consagração, por exemplo, no livro de Charles Taze Russell, intitulado “A Nova Criação”, no qual o significado do batismo em água é explicado, particularmente com referência àqueles que compõem o corpo simbólico de Cristo, aqueles que têm a esperança da vida celestial. No devido tempo, no entanto, em The Watchtower de 15 de maio de 1952, dois artigos apareceram sobre esse assunto. O artigo principal foi intitulado “Dedicação a Deus e Consagração”, e o artigo subsidiado foi intitulado “Dedicação para a Vida no Novo Mundo”. Esses artigos mostraram que o que antes era chamado de “consagração” era mais apropriadamente denominado “dedicação”. Desde então, o termo “dedicação” foi usado. – w64 2/15 p. 122, você fez uma dedicação aceitável a Deus?
É interessante notar que, no passado, a Watchtower reconheceu que a palavra “dedicação” em conexão com a entrega de si mesmo exclusivamente a Deus não é encontrada nas Escrituras. E que não está ligado ao batismo nem se torna um discípulo de Cristo. A Sentinela, 15 de maio de 1952, página 315, sob o artigo de estudo “Dedicação para a Vida no Novo Mundo”, diz (na edição inglesa):
Pesquisando através das Escrituras gregas cristãs, não encontramos nem a palavra dedicação nem a palavra consagração usada para designar este passo de entregar-se exclusivamente a Deus através de Jesus Cristo. Ao ler os primeiros adotantes do cristianismo, simplesmente achamos que eles acreditavam ou a fé exercida. A fórmula que aqueles que exortaram o povo a adotar o cristianismo era: “Arrepende-se e se converta” ou “Arrepende-se e seja batizado”. No dia de Pentecostes, quando o povo perplexo pediu aos apóstolos de Cristo, “Homens, irmãos, o que devemos fazer?” Pedro respondeu: “Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos seus pecados, e vocês receberão a dádiva do espírito santo … Sejam salvos desta geração pervertida”. Alguns dias depois, no templo, Pedro disse a outra multidão: “Arrependam-se, portanto, e deem meia-volta, a fim de que os seus pecados sejam apagados, para que venham tempos de refrigério da parte de Jeová e ele envie o Cristo que lhes foi designado, Jesus”. (Atos 2:37-40; 3:19, 20) Quando o carcereiro de Filipos na Macedônia, tomado com remorso de consciência, perguntou a Paulo e Silas: “Senhores, o que tenho de fazer para ser salvo?” eles responderam: “Creia no Senhor Jesus e será salvo, você e os da sua casa”. Então eles “falaram a palavra de Jeová a ele e a todos os da sua casa”, após o qual “ele e todos os da sua casa foram batizados sem demora”. – Atos 16:30-33 Como, então, o registro inspirado diz que eles se tornaram verdadeiros cristãos e um povo pelo nome de Deus? Ao se consagrarem? Não! Foi por crer ou tornar-se crentes, exercitando fé e descansando sua fé no propósito e disposição revelada de Deus. Leia por si mesmo: após Pentecostes, “Todos os que se tornaram crentes estavam juntos e compartilhavam todas as coisas uns com os outros”. “Não só isso: um grande número de homens e mulheres passavam a crer no Senhor e eram acrescentados a eles”. “É dele que todos os profetas dão testemunho, de que todo aquele que deposita fé nele recebe perdão de pecados por meio do seu nome”. “E a mão de Jeová estava com eles, e muitos se tornaram crentes e se converteram ao Senhor”. “Quando as pessoas das nações ouviram isso, alegraram-se e começaram a glorificar a palavra de Jeová, e todos os que tinham a disposição correta para com a vida eterna se tornaram crentes”. “Assim, Paulo se retirou, mas alguns se juntaram a ele e se tornaram crentes”. “Mas Crispo, presidente da sinagoga, tornou-se crente no Senhor, junto com todos os da sua casa. E muitos coríntios que tinham ouvido a palavra passaram a crer e foram batizados”. “Muitos dos que tinham se tornado crentes vinham para confessar e declarar abertamente as suas práticas”. Então, o levantamento da crença ou fé de acordo com o propósito e vontade recém-revelado de Deus foi o que os fez cristãos, o povo de Deus.Atos 2:44; 4:4; 5:14; 10:43; 11:21; 13:48; 17:33; 18:8; 19:18
Embora a Watchtower reconheça que, nas Escrituras Gregas Cristãs, “não encontramos nem a palavra dedicação nem a palavra consagração usada para designar este passo de entregar-se exclusivamente a Deus através de Jesus Cristo”, e o que fez dos primeiros cristãos o povo de Deus ser seu “o levantamento da crença ou fé de acordo com o propósito e vontade recém-revelado de Deus”, e não dedicação; e também, “a fórmula que aqueles que exortaram o povo a adotar o cristianismo era: “Arrepende-se e se converta” ou “Arrepende-se e seja batizado”, e não a necessidade de se dedicar a Deus, no entanto, o auto-nomeado “Escravo fiel e discreto”, o Corpo Governante, assumiu a si mesmos para definir a nossa dedicação a Deus de qualquer forma que tenham considerado oportuno, não diferente do que a Igreja Católica fez, chegando mesmo a torná-lo um requisito básico para a salvação. O artigo continua a mostrar como eles usaram a Escritura em Tiago 2:17, 24 para definir esta doutrina da dedicação:
Onde, então, é a dedicação de si mesmo a Deus através de Jesus? Está incluído nessa crença ou exercício de fé. Tiago 2:17, 24 (NW) nos diz: “a fé por si só, sem obras, está morta. Vejam que o homem será declarado justo por obras, e não apenas pela fé”. A dedicação a Deus através de Cristo é colocar a vida em sua fé, ativá-la, tornando-a um produtor de obras levando à prática da justiça. Como observamos na citação acima citado, aqueles que exerceram fé ou se tornaram crentes executaram obras. Eles se submeteram ao batismo na água para dar um testemunho simbólico à sua fé, e assim imitaram Jesus. Eles se afastaram do mundo e se voltaram para ele como o Ungido de Jeová ou Messias, a quem Jeová fez o seu Senhor celestial. Eles se uniram à organização visível de Jeová e mantiveram-se juntos como uma congregação unida. Eles confessaram e relataram suas práticas passadas abertamente e mostraram que se arrependeram ou mudaram de idéia sobre tais coisas e que se converteram ou se viraram e agora estavam indo no caminho de Deus nos passos de Jesus. Foi assim que eles mostraram que estavam “dispostos corretamente para a vida eterna” no novo mundo.
O escritor da Bíblia, Tiago, nunca menciona a dedicação. Isso não é o que ele estava discutindo. Mas, a Watchtower foi além das palavras de Tiago para poder definir todas as coisas que a dedicação deve implicar, ensinando-nos como podemos colocar ”a vida em sua fé, ativá-la, tornando-a um produtor de obras”, por nossa mantendo a sua definição de viver de acordo com nossa dedicação, o que quer que diga que envolve, e depois alegando que o batismo é um símbolo daquilo que nem sequer é ensinado nas Escrituras. Não se trata de ir “além das coisas que estão escritass”? Sim, e o que é mais, eles realmente reconhecem isso! (1 Coríntios 4:6) Eles fariam bem em prestar atenção às outras palavras de James: “Não muitos de vocês deviam se tornar instrutores, meus irmãos, pois vocês sabem que nós receberemos um julgamento mais pesado”. – Tiago 3:1 O que, na realidade, é a origem de nossa prática de dedicação, pois, evidentemente, não é mencionado nas Escrituras? Considere a semelhança de nossa dedicação e a dos outros:
Quando oramos, de forma silenciosa ou audível para nós mesmos, dedicamo-nos a ele para fazer a sua vontade a partir de então e para sempre, em qualquer domínio da vida que Deus possa escolher para nós, Deus nos céus altos realmente nos ouve ou presta atenção? Sua palavra nos garante que ele faz, e devemos exercer a fé que ele faz, para nos manter a nossa decisão … Então, depois de se dedicar na fé a Deus, mantenha sua palavra sagrada, inviolável, intocável por qualquer mudança. Seu voto de ser seu e fazer sua vontade é sempre vinculativo. – A Sentinela, 15 de maio de 1952, página 317, “Dedicação para a Vida no Novo Mundo” (Edição em inglês)
Quão semelhante à prática romana de dedicação onde “entendeu-se que o objeto, uma vez consagrado ou dedicado, permaneceu sagrado em perpetuo”! E a da Igreja Católica: “as pessoas ou coisas passam de uma ordem comum, ou profana, para um novo estado, e se tornam os sujeitos ou os instrumentos da proteção Divina … O novo estado a que a consagração eleva pessoas ou coisas é permanente, e o rito nunca pode ser repetido”. Lembre-se, foi Jeová que escolheu e ungiu (“consagrou” de acordo com a Enciclopédia Católica) Aarão e seus filhos como sacerdotes, e também os levitas. Ninguém poderia “se consagrar” a Deus. (Hebreus 5:4) O costume de consagrar ou dedicar as pessoas ao serviço divino e às coisas para servir na adoração de Deus pode ser atribuído aos tempos mais remotos, “no culto inicial dos egípcios e outras nações pagãs”, incluindo o Romanos.
Em suma:
O que aplicamos a outras religiões, antes de mais, devemos aplicar a nós mesmos, a saber, que “não somos aceitáveis a Deus se nossas crenças sinceras não têm de basear-se em conhecimento exato”. (A Sentinela 2003, 15 de fevereiro, p. 32) Tentei mostrar das Escrituras e citações da Sociedade que:
  • A nação de Israel não foi dedicada a Deus, mas sim foi em aliança com ele. Esses dois não são os mesmos; os termos não são intercambiáveis.
  • A dedicação não tem nada a ver com ter orações ouvidas por Deus. Cornelius dedicou-se a Deus para que suas orações fossem ouvidas?
  • Não se deve a nenhuma “dedicação” a Deus por nossa parte que herdemos a vida eterna. Ao ensinar isso, na verdade negamos o resgate, embora, aparentemente, parece que aceitamos.
  • Nós roubamos a Jeová enfatizando o nosso amor por ele, ao invés de seu amor por nós.
  • Devido à nossa doutrina da dedicação, fizemos a Palavra de Deus inválida na medida em que somos capazes de julgar a espiritualidade de nossos irmãos e irmãs, comparar nossa atividade contra os outros, e até mesmo ter dado “fundamentos bíblicos” para que os parceiros de casamento se separem. Estas são todas as coisas que as Escrituras nos dizem para não fazer. (Mateus 7:1-2: Romanos 14:4, 10, 13; 2 Coríntios 10:12; Gálatas 6:4; 1 Coríntios 7:10-11)
  • O batismo não se refere a nenhum voto de dedicação. É interessante como a Sentinella concorda com este ponto:
    Deve-se observar também que os votos eram espontâneos, e, por isso, não pedidos, nem solicitados. Não eram algo apresentado como requisito geral para todos os que queriam usufruir certo privilégio ou entrar em certa relação. Portanto, tornar-se alguém discípulo de Cristo Jesus e cumprir com os requisitos estabelecidos para todos, inclusive arrepender-se, dar meia-volta, fazer uma declaração pública da fé e ser batizado, não envolvem um “voto” no sentido bíblico. – w74, p. 319, Perguntas dos Leitores
  • Além disso, a Watchtower reconhece que “não encontramos nem a palavra dedicação nem a palavra consagração usada para designar este passo de entregar-se exclusivamente a Deus através de Jesus Cristo”. Obviamente, este passo de “entregar-se exclusivamente a Deus através de Jesus Cristo” não é um requisito para a vida eterna. Não tem nada a ver com o batismo.
Não investiguei e publiquei isso com o objetivo de tropeçar qualquer um. Meu objetivo é mostrar por que temos tantos problemas que tropeçaram muitas das preciosas ovelhas de Jeová; porque muitos se sentem indignos, ficando aquém de suas responsabilidades de dedicação, e não esperam sobreviver ao novo sistema. E somente Jeová sabe quantos outros nunca tomaram o passo necessário do batismo, temendo que não pudessem cumprir todos os requisitos envolvidos em uma dedicação pessoal a Deus. O problema é que nós fomos ”além das coisas que estão escritas”. Ninguém sobre a face desta terra tem autoridade para fazer isso!1 Corinthians 4:6 Nós fizemos a Palavra de Deus inválida por alguns de nossos ensinamentos que se tornaram fortemente enraizados. (2 Coríntios 10:4) Mas, ao invés de ser desencorajados por essa informação, deverem nos preencher com a esperança de que Jeová em breve vai resolver as coisas. Que nosso pesado fardo de viver até a nossa dedicação em breve será levado para fora de nós. Então, poderemos nos submeter ao suave jugo que Jesus nos ofereceu; “Venham a mim, todos vocês que estão trabalhando duro e estão sobrecarregados, e eu os reanimarei. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou de temperamento brando e humilde de coração, e acharão revigoramento para si mesmos. Pois o meu jugo é suave e a minha carga é leve.” – Mateus 11:28-30
Você pode se perguntar:
Nosso batismo é mesmo válido? Se o nosso batismo não é sobre a dedicação, e nós fizemos a Palavra de Deus inválida em conexão com essa tradição nossa, então, qual é a nossa posição na frente de Jeová? Considere: Nós acreditamos no resgate. Nós exercemos fé nela e ensinamos outros a fazer o mesmo. Nós nos arrependemos do nosso antigo curso de vida e sabemos que recebemos perdão de pecados e ganhamos vida por causa do sangue derramado de Jesus. Somos batizados em obediência ao comando para fazê-lo. Essas são as exigências de Deus e, portanto, Jeová aceita nosso batismo e podemos desfrutar de um relacionamento com ele. Ele não leva em consideração quaisquer outros requisitos que temos anexado a isso. Mas por causa de ir “além do que está escrito”, causamos sérios problemas que Jeová abordará em seu devido tempo. – 1 Corinthians 4:6 A nação de Israel tornou-se povo da pacto de Deus no Monte Sinai, onde Jeová deu-lhes a Lei através de Moisés. Ele disse a eles: “Não acrescentem nada às palavras que eu lhes ordeno e não tirem nada delas; guardem os mandamentos de Jeová, seu Deus, que eu lhes ordeno”. (Deuteronômio 4:2; 12:32) Quando Jesus veio, os líderes religiosos aumentaram consideravelmente a lei de Deus. Jesus disse que eles “se sentaram no lugar de Moisés” e assim colocaram “cargas pesadas” sobre as pessoas. Ao fazê-lo, eles também tornaram a palavra de Deus inválida. (Mateus 23:2-5; 15:3-9) No entanto, eles ainda eram o povo dele. Nós nos tornamos culpados do mesmo pecado. Alguns dos que receberam a responsabilidade de alimentar a família de Deus, também “se sentaram no lugar de Moisés” (agora o lugar de Jesus, o Moisés maior). Eles acrescentaram à palavra de Deus, colocaram cargas pesadas sobre as ovelhas e tornaram a palavra de Deus inválida de muitas maneiras diferentes. Podemos ter certeza de que se Jeová e seu Filho condenaram isso no primeiro século, ainda o condenam hoje.
Faça cada um conforme resolveu no coração, não a contragosto nem por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria. – 2 Coríntios 9:7
Ao publicar esta informação, não tenho a intenção de desencorajar ninguém de consagrar-se ou dedicar-se a Jeová. É bom quando queremos e podemos demonstrar a Deus o quanto o amamos, como os nazireus da antiguidade ou os pioneiros de hoje. Como Jesus nos encorajou em Mateus 6:33, devemos continuar buscando primeiro o reino e a sua justiça, e temos certeza de que Jeová cuidará de nossas necessidades se o fizermos. Tenho certeza de que muitos encontraram essa promessa de ser fiel. Muitas pessoas bem-sucedidas se dedicam a todo tipo de causas ou carreiras diferentes, como médicos, advogados, políticos, forças armadas, esportes, música, artes, hobbies, para citar apenas alguns. Da mesma maneira, por que não podemos dedicar ou dedicar-nos ao serviço de Deus tornando-a a característica mais importante de nossas vidas? Mas quando eu me propus explicar, não é assim que o nosso batismo é sobre e nem Jeová exigiu que devêssemos nos dedicar a ele. Nem ele está ameaçando ninguém por não conseguir fazê-lo. É dito em sua Palavra que o batismo é necessário para a salvação, mas em lugar algum há menção à dedicação. Ao adicionar apenas uma palavra à Palavra de Deus, podemos encontrar-nos redefinindo ensinamentos importantes e ficando presos em nossas próprias tradições, tornando a palavra de Deus inválida. Isso nunca é para nosso benefício duradouro. – Provérbios 30:6; Sofonias 2:3 Não podemos ganhar a vida eterna por nossas obras, e acho que todos os anciãos reconhecerão isso. O texto diário para quinta-feira, 14 de janeiro de 2010, observou: “Os humanos pecaminosos não podem ganhar a vida eterna à base de seus esforços imperfeitos de fazer o que é certo. (Isa. 64:6) Ganhar a vida eterna é possível apenas por depositar fé na amorosa provisão divina de salvação por meio de Jesus Cristo. Deixe-nos fazer tudo o que pudermos para mostrar nosso apreço por essa bondade imerecida de Deus! – w08 15/6 2:2, 3“ Se eles admitem o óbvio o óbvio, então, por que não é ensinado? (compare Gálatas 2:16, 21; 3:10-11) Por que a contradição? Por que um jugo pesado e inútil sobre os irmãos? Porque o ensino “nobre” da dedicação é uma ferramenta valiosa nas mãos daqueles que se estabeleceram como governadores da casa de deus. Isso lhes permite impor suas regras sobre o rebanho. Também lhes permite estabelecer uma lei não estabelecida nas Escrituras. Isso lhes permite ir além das coisas escritas sem serem desafiadas. Nem todos nos esforçamos para viver até a nossa dedicação, conforme ensinado por eles? Existe algum perigo ao fazê-lo? Considere as consequências! Por que existe uma epidemia de divórcios e casamentos quebrados entre o povo de Deus? Devemos nos surpreender com esta situação quando enfatizamos que nossa dedicação a Deus, que inclui assistir às reuniões e ser ativo na pregação, é a coisa mais importante em nossa vida pela qual ganhamos a salvação? Não é de admirar que os adúlteros, os pedófilos, o parceiro de negócios sem escrúpulos, que também sejam um ancião, os bêbados, etc., entre nós, também estão tentando “viver de acordo com nossa dedicação”. – comparar 2 Timoty 3:1-5 E aqueles que realmente amam seu Criador, mas sofrem de saúde, encargos financeiros, idade avançada, responsabilidades familiares ou oposição, além de outros problemas, podem eventualmente se queimar e desistir devido a sentimentos de indignidade. O jugo suave que nosso Mestre nos convidou a aceitar torna-se opressivo quando a carga se tornou pesada. – Mateus 11:29,30; 23:2-5; Atos 15:10,11; Gálatas 5:1 Mas há esperança! A promessa de Deus nos assegura: “E terão de saber que eu sou Jeová, quando eu quebrar o jugo delas e as salvar daqueles que as escravizavam”. Isto será cumprido no momento em que Jeová exigirá uma prestação de contas aos pastores de sua ovelha, “no dia de nuvens e de densas trevas”. – Ezequiel 34:10-12, 27, 31 Com o que comparecerei perante Jeová? Com o que me curvarei diante do Deus que mora no alto? Comparecerei perante ele com ofertas queimadas, Com bezerros de um ano? Ele o informou, ó homem, sobre o que é bom. E o que Jeová pede de você Apenas que pratique a justiça, ame a lealdade e ande modestamente com o seu Deus! – Miqueias 6:6, 8
É necessário ser batizado para sobreviver ao Armagedon?
Essa é uma boa pergunta sobre se é necessário ser batizado para sobreviver ao Armagedon. Pode ser bom considerar o que o batismo é realmente sobre, e por que Jeová exige isso. Isto é o que Perspicaz, Volume 1 p. 314 sob o batismo, diz sobre a origem do batismo:
O primeiro humano autorizado por Deus a realizar o batismo em água foi João, filho de Zacarias e de Elisabete. (Lu 1:5-7, 57) O próprio fato de que era conhecido como “João Batista” ou “o batizador” (Mt 3:1; Mr 1:4) dá a entender que o batismo ou imersão em água veio à atenção do povo especialmente por meio de João, e as Escrituras provam que seu ministério e seu batismo provinham de Deus; não se originavam de João. Suas obras foram preditas pelo anjo Gabriel como procedentes de Deus (Lu 1:13-17), e Zacarias profetizou pelo espírito santo que João seria um profeta do Altíssimo, para aprontar os caminhos de Jeová. (Lu 1:68-79) Jesus confirmou que o ministério e o batismo de João procediam de Deus. (Lu 7:26-28)
Vemos que foi Deus quem introduziu o batismo. Para qual propósito? Podemos aprender o significado e a importância do batismo na água pelo que foi incluído na Lei dada por Moisés, que se tornou “ o nosso tutor, conduzindo a Cristo”. (Gálatas 3:24) De acordo com a Lei, os levitas foram purificados e também quem tornou-se impuro, salpicando “água purificadora de pecado” sobre eles. (Números 8: 7; Êxodo 30: 17-21) Perspicaz, Volume 3 p. 105, diz:
Em Israel, quem … era impuro … tinha de passar por um processo específico de purificação, sob pena de ser ‘decepado do meio da congregação’. Neste processo usavam-se as cinzas duma sadia novilha vermelha, sobre a qual não tinha vindo jugo. Espargia-se sobre o impuro água misturada com uma parte destas cinzas. — Núm 19:1-22
Note o que diz no livro de Números sobre a lei que Jeová deu ao seu povo, da oferta da novilha vermelha “sobre a qual não tinha vindo jugo” e que não tinha defeitos físicos:
Jeová disse mais a Moisés e a Arão: “Este é um decreto da lei que Jeová ordenou: ‘Diga aos israelitas que lhe tragam uma vaca vermelha, sadia, que não tenha defeito e sobre a qual nunca tenha sido colocado um jugo. Vocês devem entregá-la a Eleazar, o sacerdote; ele a levará para fora do acampamento, e ela será abatida diante dele. Então Eleazar, o sacerdote, molhará o dedo no sangue dela e o aspergirá sete vezes em direção à entrada da tenda de reunião. E a vaca será queimada diante dele. O couro, a carne e o sangue junto com o excremento serão queimados. E o sacerdote pegará madeira de cedro, hissopo e tecido escarlate e os lançará no fogo onde a vaca estiver sendo queimada. Então o sacerdote lavará as suas vestes e se banhará em água; depois poderá entrar no acampamento, mas o sacerdote continuará impuro até o anoitecer. Aquele que queimou a vaca lavará suas roupas em água e se banhará em água, e continuará impuro até o anoitecer. Um homem que estiver puro recolherá as cinzas da vaca e as colocará num lugar puro fora do acampamento, e elas devem ser guardadas pela assembleia de Israel para preparar a água que será usada para purificação. É uma oferta pelo pecado. Quem ajuntar as cinzas da vaca lavará suas roupas e ficará impuro até o anoitecer. Isto será um decreto permanente para os israelitas e para o estrangeiro que mora entre eles.’” – Números 19:1-10
Esta cerimônia de purificação com água, misturada com as cinzas da vaca vermelha sacrificial, uma oferta para o pecado, foi, como se diz, “para a remoção do pecado” [“águas para as cerimónias de purificação, para tirar o pecado” (O Livro); “Essa cerimônia serve para tirar pecados” (Nova Traduҫão na Linguagem de Hoje 2000); “a água da separação; expiação é” (Almeida Revista e Corrigida 2009)], e tem significado para nós. Observe o que A Sentinela do 15 de abril de 1984, na página 30, diz sobre isso:
O livro de Números fornece um valioso elo no registro que conduz ao estabelecimento do Reino de Deus. Aponta também para Jesus Cristo. Por exemplo, os sacrifícios de animais e o uso das cinzas da vaca vermelha apontavam para a provisão ainda maior de purificação mediante o sacrifício de Jesus. (Números 19:2-9; Hebreus 9:13, 14)
Além disso, Perspicaz, Volume 1 p. 507 diz:
De acordo com Números, capítulo 19, também se abatia e queimava fora do acampamento uma vaca vermelha, sadia, sem defeito, e sobre a qual não se pusera ainda jugo. As cinzas desta “oferta pelo pecado” eram depositadas num lugar limpo fora do acampamento (Núm 19:9), e assim havia uma parte disponível para ser misturada com água, a fim de ser aspergida sobre pessoas ou coisas impuras para purificá-las. (Núm 19:17) O apóstolo Paulo referiu-se à figurativa purificação da carne por meio das “cinzas [gr.: spo·dós] duma novilha”, para destacar a purificação muito maior de “consciências de obras mortas”, possível pelo “sangue do Cristo”. (Hebreus 9:13, 14)
As escrituras nos ajudam a entender o significado e a importância do batismo, como “o sangue de Cristo”, a oferta pelo pecado oferecida por Jeová, tem muito maior valor em nos purificar de nossos pecados quando somos batizados do que “a água para o remoção do pecado” sob a aliança da lei. Ao se arrepender de nossos pecados, o batismo simboliza que somos lavados ou purificados deles, tornados possíveis pelo “sangue do Cristo”. Por essa razão, somos batizados em nome de Jesus Cristo. (Atos 2:38; 10:48) É sobre o nosso batismo que Jeová nos perdoa os nossos pecados – o que nos confere uma consciência limpa – e então, simbolicamente, estamos vestidos de vestes brancas, como no caso da “grande multidão” em Apocalipse. (Apocalipse 7: 9, 13,14; 3: 4,5; Isaías 1:16; Ezequiel 16: 9) Por isso, Ananias disse a Saulo apenas convertido, que se tornou o apóstolo Paulo: “E agora, o que está esperando? Levante-se, seja batizado e lave os seus pecados por invocar o nome dele”. (Atos 22:16) Sob o pacto da Lei, qualquer pessoa que se recusasse a cumprir o regulamento de purificação por água era “eliminada da congregação, visto que profanou o santuário de Jeová” (Números 19:20). É realmente no momento do batismo que uma pessoa tem os benefícios do resgate de Cristo aplicado a ele. Isto foi representado misturando as cinzas da “oferta pelo pecado” (a vaca vermelha inteira, que incluiu o sangue) com as águas purificadoras de pecado. (Números 19:5, 9) Qualquer um que não quer se batizar não se beneficie do resgate e permanece impuro aos olhos de Deus. (1 Pedro 3:21) Podemos comparar o batismo com a cerimônia de casamento, pois o casamento não é oficial, legal, até depois da cerimônia. Quando Pedro explicou à multidão, que veio correndo em função do evento incrível que ocorreu no Pentecostes, muitos deles responderam e perguntaram o que precisavam fazer. Pedro respondeu-lhes dizendo: “Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos seus pecados, e vocês receberão a dádiva do espírito santo”. O relato diz que “os que aceitaram com alegria as suas palavras foram batizados, e naquele dia cerca de 3.000 pessoas se juntaram a eles”. Você vê, uma pessoa se torna membro da casa de Deus em seu batismo. Ele então recebe o espírito santo e agora é um filho ou filha pertencente a Jeová, tendo-o como seu Pai. Isso também é o que Jesus quis dizer ao dizer a Nicodemos: “A menos que alguém nasça da água e do espírito, não pode entrar no Reino de Deus”. Uma pessoa não pode receber o espírito de Deus sem o batismo. (Atos 2:37-41; João 3:5; 1 Cor. 3:16; 17; 2 Coríntios 6:18; 1 Timóteo 3:15) Nós vemos que o batismo é um comando de Jeová. Jesus ordenou aos discípulos as seguintes palavras: “vão e façam discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo” e “ensinando-as a obedecer a todas as coisas que lhes ordenei”. (Mateus 28:19,20) Por essa razão, não precisamos da permissão de ninguém para obedecer a essa diretriz divina. Proibir ou impedir que alguém seja batizado através de condições, restrições ou qualificações feitas pelo homem, seria uma questão séria, colocando-se em oposição a Deus. (Atos 5:29, 38, 39; Apocalipse 22:18,19) Todo ancião em sua congregação tem a responsabilidade de encorajar e ajudar os irmãos a obedecerem a Jeová no cumprimento de todas as suas exigências. Não é dele querer determinar se uma pessoa, que quer ser batizada, está pronta para fazê-lo. (Romanos 14:4) Se os anciãos em sua congregação sentem que você não está pronto para o batismo e, portanto, tentam desencorajar você, ou mesmo impedir que você faça isso, o que você quer fazer? (Atos 8:36; 10:47; 16:33) No meu caso, quando eu tinha dezesseis anos conheci Jeová e vim amá-lo. Por isso, eu estava determinado a ser batizado. Aguardei a próxima Convenção do Distrito, peguei meu maiô e minha toalha comigo e fui batizado junto com seiscentos e cinco outros. Eu não me conheci com anciãos ou servos para pedir sua permissão. Senti que isso era algo muito pessoal entre mim e Jeová. Do que se seguiu imediatamente, forneciam provas de que Jeová realmente aceitou meu batismo. Estou certo de que outros fizeram o mesmo, e Jeová abençoou sua obediência. Se não houver uma convenção onde você possa participar com outras pessoas para serem batizados; ou é impossível ser batizado por conta de seus anciãos, não incluindo o seu nome na lista aprovada para candidatos ao batismo, então você pode ter em mente que qualquer irmão batizado é qualificado para batizar, em qualquer grupo adequado de água onde você pode ser imerso. (2 Cor. 3:1, 4-6) A Sociedade muitas vezes gosta de nos lembrar que não temos uma classe de clérigo entre o povo de Deus; então, por que devemos nos submeter a homens carnais que não se sujeitam a Deus? (1 Cor. 3:1-9) E quanto a uma pessoa que quer ser batizada, mas é incapaz em razão de alguma deficiência física, talvez ficando confinada em uma cama, ou mesmo conectada a um dispositivo mecânico que o mantenha vivo; ou mesmo devido a uma incapacidade mental de compreender os requisitos de Deus e, portanto, ser incapaz de obedecer? Nos casos em que uma pessoa realmente não tem a capacidade de obedecer a Jeová, podemos ter certeza de que Jeová entende. Ele é o criador de suas leis, e depende de ele se ele as impõe ou decide fazer exceções. Isso não é algo para nós determinar. (Mateus 12:1-5) No entanto, Jesus advertiu que Deus pedirá contas e punirá os líderes entre seu povo que tornaram a palavra de Deus inválida por suas próprias tradições e doutrinas, como a substituição da “água purificadora de pecado” por uma “água da dedicação”, e impedindo que uma pessoa obedeça a Deus em conformidade. (Mateus 15:6-9) Os membros da “grande multidão” que “saem da grande tribulação” são todos batizados porque “eles lavaram suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro” (Apocalipse 7: 9,14) Não há outros sobreviventes da grande tribulação mencionada nas Escrituras. Não deixe ninguém impedir que você seja batizado. (1 Pedro 3:21) Voltar à leitura do artigo
Leia o artigo original nesta página: http://www.perimeno.ca/Dedication.htm
Posts em destaque
Perimeno
A visão de Deus sobre a dedicação
girl-praying-hands-eyelashes-41942
Qual é a visão de Deus sobre a dedicação? O fato é que Jeová Deus não disse nada sobre o assunto! Sua Palavra, a Bíblia, não ensina a necessidade de dedicar-se a ele para ganhar a salvação. Como Deus está em silêncio sobre o assunto, os homens se sentiram livres para definir o que eles queriam dizer. Por esse motivo, considero necessário citar extensivamente as publicações da Sociedade e depois compará-lo com o que as Escrituras realmente dizem. O palavras em negritos ou itálicos em muitas citações são meus para destacar ou enfatizar o ponto particular que está sendo feito.
(Prosseguir
Acalia & Marta
Parábolas para os nossos dias (Parte 1)
Carl-Bloch-Sermon-on-the-Mount
O que as parábolas de Jesus têm para nos dizer? Eles estão relacionados aos nossos dias? Primeiro, devemos identificar e entender quais deles têm uma aplicação profética. Por exemplo, a parábola do filho pródigo contém um excelente ensino para nós, mas não é profética, não anuncia nenhum evento! Como então distinguir os tipos de parábolas? Como de costume, é muito simples: manteremos o que o próprio Jesus Cristo disse, sem adição ou remoção. Vamos limitar as interpretações aos únicos elementos que podem ser derivados diretamente de narrativas ou outros textos particulares e relevantes. Para o resto, gostaremos de contentar-nos com a resposta do Senhor: "Não cabe a vocês saber os tempos ou as épocas que o Pai colocou sob sua própria autoridade”. – Atos 1:7
(Prosseguir
Inscrição
Inscreve-te para ser notificado quando novos artigos são publicados. Se não quiser dar o teu endereço de e-mail, podes usar um serviço de e-mail temporário tipo YopMail ou criar um endereço do Gmail reservado para receber os e-mails do Baruq.
Ao clicar no botão enviar, declaro que consigo o processamento de dados pessoais conforme eu li na página de privacidade.


Leiamos a Bíblia diariamente!
Bible Study - by courtesy of pixabay.com
visite bible.daily.baruq.uk
Topo da página
How to comment with Disqus?
The first way to comment is to register in Disqus. If you have no account, click on the Disqus logo and follow the instructions.
You can comment as a guest: check “I’d rather post as a guest” and follow the instructions.
You can sign with your Google, Twitter or Facebook account.
At the moment, comments are not moderate, however, please respect common sense rules and current laws. (Note that moderation may come a posteriori)
This website may use cookies to give you the very best experience. If you continue to visit it, you consent to this - but if you want, you can change your settings in the preferences of your web browser at any time. Please check this page to read our privacy policy and our use of cookies
Topo da página