BaruQ
Matéria Para Testemunhas de Jeová Refletivos
“‘Mas você está procurando grandes coisas para si. Pare de procurar essas coisas. Pois estou para trazer uma calamidade sobre todas as pessoas’, diz Jeová, ‘e, aonde quer que você for, eu lhe darei a sua vida como despojo’.”
Importante: este site não pretende conter a verdade. O leitor deve ser capaz de exercer o bom senso, examinavam cuidadosamente as Escrituras, todo dia, para ver se tudo era assim mesmo. (Atos 17:11)
Israeli Bar Avaddhòn
Persistam em fazer isso em memória de mim

Desde os dias de João Batista até agora, o Reino dos céus é o alvo para o qual os homens avançam vigorosamente, e os que avançam vigorosamente se apoderam dele. – Mateus 11:12QQ

Na sexta-feira, 19 de abril de 2019, milhões de Testemunhas de Jeová e apoiadores de todo o mundo se reunirão para comemorar a morte de Jesus Cristo. No entanto, a maioria participará deste importante evento como "espectador", observando o pão e o vinho "passarem" de mão em mão sem comer ou beber. Será assim, porque de acordo com a doutrina oficial da Organização, os "ungidos" são os únicos que têm o direito de comer o pão e beber o vinho, uma vez que Cristo teria feito uma aliança por um reino somente com eles, abrindo-lhes a perspectiva de irem para o céu e, portanto, são os únicos a serem convidados a receber os emblemas. Todos os outros, isto é, aqueles cujo destino é a vida terrena, são convidados a participar respeitosamente sem participar.


Obviamente, a primeira questão a ser enfrentada seria como ter certeza da unção de tal pessoa, uma vez que a única maneira de entendê-la parece ser a própria convicção dos envolvidos. A fim de evitar a todos, uma bela manhã, de declarar-se "ungidos", destacamos a séria responsabilidade que um indivíduo tem por "comer ou beber indignamente" (1 Coríntios 11:27) e acrescentamos que o número dos eleitos deve ser completo, ou em outras palavras, que aquele que afirma ser ungido certamente tem problemas mentais. Espera-se, portanto, que os ungidos sejam de idade avançada. Mas a Bíblia realmente ensina essa doutrina?

Esta é uma questão que será discutida em um artigo futuro (uma pesquisa neste site também pode levar a uma reflexão baseada nos estudos de homens como Perimeno, por exemplo). Em qualquer caso, é importante perguntar se, quando ele iniciou a comemoração de sua morte, Jesus deixou claro que somente aqueles que abrigam uma “esperança celestial” têm o direito de tomar os emblemas.

A partir do momento que os futuros reis do reino de Deus não são escolhidos a priori, desde que as Testemunhas de Jeová não ensinam a predestinação, mas serão escolhidos dentre aqueles que "avançam vigorosamente", como diz o texto no início deste estudo, deve-se concluir que todos os cristãos devem tomar os emblemas, já que todos eles são potenciais "ungidos". - Veja Filipenses 3:13, 14

Lucas 22:19, 20 fala do corpo que será dado e do sangue a ser derramado "em seu benefício". De quem ele está falando? O sangue de Cristo foi derramado somente por seus doze apóstolos e um pequeno número de cristãos? Quem se beneficiará do resgate? Apenas o "ungido" ou todos os que têm fé nele? (1 João 2:2) Não é dito sobre a grande multidão cujas Testemunhas de Jeová fazem referência à natureza terrena, isto é, daqueles que sobreviverão no Armageddon para viver na terra, que eles lavam suas vestes compridas no sangue do cordeiro? (Apocalipse 7:9, 14) Jesus não está morto para todos?

Ao continuarem a comer, Jesus pegou um pão e, depois de proferir uma bênção, partiu-o e deu aos discípulos, dizendo: “Peguem, comam. Isto representa o meu corpo.” E, pegando um cálice, ele deu graças e o deu a eles, dizendo: “Bebam dele, todos vocês, pois isto representa o meu ‘sangue do pacto’, que será derramado em benefício de muitos, para o perdão de pecados.” – Mateus 26:26-28

O próprio Jesus explica que a comemoração de sua morte é, precisamente, uma lembrança do significado de sua morte para o benefício de todos e permite o perdão dos pecados e, portanto, a vida eterna, e não uma aliança com co-governantes. A aliança de um reino é relatada em Lucas 22:28-30, depois da disputa entre os apóstolos, enquanto a comemoração já está concluída. As Testemunhas de Jeová que amam as escrituras mais do que sua própria religião são incentivadas a ler esses versículos.

Jesus dit qu’ils sont constamment restés avec lui dans ses épreuves et donc, en harmonie avec Matthieu 11:12, ceux-ci se sont pressés pour s’emparer du royaume. Pour cette raison, Jésus a pu faire ce pacte, ou alliance, avec eux.

É óbvio que a morte de Jesus abre o caminho para a ressurreição celestial e, portanto, a ressurreição deste pequeno grupo, mas não há indicação de que apenas os poucos líderes presumíveis teriam o direito de participar tomando os emblemas. Sua morte era para ser o resgate que beneficiava toda a humanidade e era o motivo principal que "todo aquele que nele exercer fé" deviam lembrar. - João 3:16

Quando ele diz “persistam em fazer isso em memória de mim”, Jesus estava falando sobre comer pão e beber vinho, não apenas observando. Da mesma forma, por "todo", ele quis dizer todos os que teriam exercido fé nesse sacrifício, reconhecendo seu significado. Então, por que somente aqueles que nutrem a esperança celestial devem receber os emblemas?

É muito provável que a história recente das Testemunhas de Jeová seja responsável por essa interpretação, a partir do momento em que foi ensinado que a "grande multidão" também era uma classe celestial, mas de segunda classe. Como os componentes dessa classe eram de segunda classe, ou seja, menos fiéis e menos puros do que os outros, não era concebível dar-lhes responsabilidades. Isso criou diferenças substanciais desde o início, diferenças que persistem hoje. Isso cria dificuldades objetivas em considerar todos como um só rebanho sob a direção de um único pastor (João 10:16), todos iguais (Atos 10:34), sem inveja ou ciúme (Mateus 23:8). Essa interpretação também é arriscada por causa da fraqueza humana que leva à atribuição de uma importância exagerada aos homens. - 1 Coríntios 1:12; 3:6-8

Certamente alguns irão criticar essas afirmações, mas se os membros do Corpo Governante "devem todos ser ungidos", não podemos dizer honestamente que todos nos consideramos iguais, uma vez que os fatos têm mais força do que palavras. É provável que sejamos citados Romanos 8:14 para afirmar que a própria Bíblia faz essa distinção entre "ungido" e "não-ungido". O verso diz que "todos os que são guiados pelo espírito de Deus são realmente filhos de Deus". No entanto, leve em consideração o contexto de Romanos, capítulo oito.

Haverá um contraste entre a lei mosaica e a lei do espírito "que dá vida em união com Cristo Jesus [e] libertou você da lei do pecado e da morte". Ele vai ler novamente que "os que vivem de acordo com a carne fixam a mente nas coisas da carne; mas os que vivem de acordo com o espírito, nas coisas do espírito" e então que "se vocês viverem de acordo com a carne, certamente morrerão; mas, se pelo espírito entregarem à morte as práticas do corpo, vocês viverão. Porque todos os que são guiados pelo espírito de Deus são realmente filhos de Deus.” Assim, é suficiente ler o contexto para entender sem preconceito que essa consciência não é sobre se somos “ungido" ou não, mas se vivermos de acordo com os desejos da carne ou do espírito. O contraste de que fala é entre aqueles que estão em harmonia com a carne, e que estão, portanto, destinados a morrer, e aqueles que estão em harmonia com o espírito. Este não é um contraste entre "ungido" e "não-ungido". Não há oposição entre aqueles que têm "esperança celestial" e aqueles que têm "esperança terrena”.

En plus du fait d’établir qui peut se définir “fils de Dieu”, c’est-à-dire, TOUS ceux qui sont en harmonie avec l’Esprit, Paul continue en disant que “l’esprit lui-même témoigne avec notre esprit que nous sommes enfants de Dieu”, donc, que nous sommes conscients que nous vivons selon l’esprit de Dieu et non selon les désirs de la chair. – Romain 8:16

Segue-se daí que "tomar os emblemas" não está relacionado à certeza de ter esperança celestial em vez de esperança terrena.

Até mesmo o termo "ungido", usado pelas Testemunhas de Jeová, é enganoso. Se sabemos que Deus predestina ninguém para ser rei e sacerdote - caso contrário, seria injusto dizer de avançar vigorosamente se os jogos já foram feitos, não é? - não podemos aceitar a crença de que alguns são ungidos nesse sentido. Além disso, se é verdade que a unção da Bíblia tem a ver com a função real ou com o Espírito Santo, sabemos que ninguém é rei entre nós (Mateus 23:8-12) e, a partir do a própria confissão das Testemunhas de Jeová, hoje ninguém pode se orgulhar de ser ungido com o Espírito. - 1 Coríntios 13:8

Mesmo a distinção entre "ser inspirado" e "ser guiado pelo Espírito" (expressão freqüentemente usada para justificar óbvios erros doutrinários e organizacionais) não é clara, nem mesmo como ser guiado pelo Espírito significa ser ungido. No passado, Deus derramou su Espírito sobre muitos que não tinham esperança celestial, atendendo a que os antigos hebreus acreditavam na ressurreição terrena. Profetas como Habacuque, Ezequiel, Eliseu, para citar apenas alguns, foram, sem dúvida, ungidos, mas eles já tiveram a esperança celestial? Sabemos que desde a morte do último apóstolo, os dons do espírito cessaram e, assim, em que sentido os ungidos são ungidos? Se eles não são escolhidos antecipadamente (não sabemos se eles irão reinar no céu, no final), que eles não têm dom do Espírito (estes cessaram no primeiro século) e que eles nem sequer são inspirados, o que distingue um ungido de outro servo de Deus? Se todos somos irmãos, como Jesus diz, e ninguém deve colocar-se em uma posição de superioridade, chamando a si mesmo de condutor ou mestre, como podemos reconciliar o entendimento de que os ungidos já são filhos de Deus, enquanto a grande multidão estaria no final do milênio? Isso dá a impressão de um rebanho e um pastor? E todos os versos que, de acordo com o presente entendimento, se aplicariam aos ungidos, enquanto os outros só se beneficiariam por extensões, desencorajariam a inveja e nos forçariam a nos considerarmos todos iguais? Ser chamado "filho de Deus" é apenas uma questão de semântica?

Na Bíblia, a única distinção feita entre aqueles que são "filhos de Deus" e aqueles que não são está relacionada àqueles que amam ou não o amam (Deuteronômio 32:5; 2 Coríntios 6:18). Assim, se ninguém é realmente "ungido" e não há nenhum eleito para acessar a realeza, isso significa que somos todos iguais, todos encorajados a correr em direção ao mesmo objetivo, a santificação do nome. de Deus e não o lugar do destino final, todos convidados a nos "apressar" em boas obras e que somos todos "um só rebanho, um só pastor". - Romanos 12:10

“Feliz e santo é todo aquele que tem parte na primeira ressurreição” e, portanto, há de fato uma grande superioridade daqueles que receberão a primeira ressurreição sobre os outros, mas isso só acontecerá depois de sua morte e ressurreição (Apocalipse 20:6). Jeová será o único a determinar quem será um desses reis e sacerdotes, e as pessoas envolvidas só saberão disso no final. O próprio apóstolo Paulo não podia dizer com certeza que ele havia recebido o prêmio: ele só podia “avançar vigorosamente". - Veja Filipenses 3:13, 14

Então, durante a comemoração, quem deve participar do pão e do vinho? A resposta é simples: TODOS os cristãos.

Todos nós devemos tomar os emblemas, porque isso está relacionado à importância de sua morte, e não a aliança. Além disso, ninguém será ungido até que Jeová derrame seu Espírito novamente. - Atos 2:17

Como conciliar esse entendimento com o termo "santo", se, como vimos, ninguém é ungido até que Deus tenha derramado seu espírito?

A Bíblia menciona muitas pessoas santas. Em Levítico 20:26, lemos que Jeová, que é santo, reivindica a santidade entre o seu povo. Enquanto ele era fiel, o povo de Israel era santo. Aqueles que estão encarregados de julgar devem ser santos. Os anjos fiéis são chamados de "santos anjos". É evidente que o título "santo" é usado nas escrituras sem qualquer conexão particular com a esperança.

Nós também entendemos que existem vários níveis de santidade. Jeová, de fato, é santo no mais alto grau. Aqueles que receberem a primeira ressurreição terão uma posição superior a todos os santos anjos, sugerindo que até mesmo sua santidade será maior. Isso acontece, no entanto, somente após sua morte e ressurreição. - Veja Daniel 7:27

Além disso, não nos esqueçamos de que João 17:17 nos lembra que é a verdade da Palavra de Deus que nos torna santos.

Cada um de nós pode ser santo na medida em que coloca a Palavra de Deus em prática em sua própria vida. Podemos começar a fazer isso na próxima comemoração. - Salmo 119:105

Inscrição
Inscreve-te para ser notificado quando novos artigos são publicados. Se não quiser dar o teu endereço de e-mail, podes usar um serviço de e-mail temporário tipo YopMail ou criar um endereço do Gmail reservado para receber os e-mails do Baruq.

Posts em destaque
Vamos examinar nossas crenças:

a existência de Deus

Se um cristão, e especialmente uma Testemunha de Jeová, é convidado a apresentar provas da existência de Deus, é muito provável que ele cite o versículo quatro do terceiro capítulo da carta aos Hebreus: "toda casa é construída por alguém, mas quem construiu todas as coisas foi Deus".

O raciocínio é correto, nada veio do nada, mas tudo na terra é devido à vontade de um desenhista, mas é bom notar que Paulo não estava tentando discutir sobre a existência de um Criador. Ele falou com seus companheiros cristãos hebreus, que certamente não questionaram o fato de que o universo era governado por um ser poderoso que está por trás de tudo. Além disso, na antiguidade o problema certamente não era a não-crença em Deus, mas o oposto: as pessoas tendiam a acreditar em uma multidão de deuses. Ademais, Paulo, em uma ocasião, notou que um altar dedicado a um deus desconhecido havia sido feito, certamente por medo de esquecer de venerar uma divindade.

(Prosseguir)
Acalia & Marta
Parábolas para os nossos dias (Parte 1)
Carl-Bloch-Sermon-on-the-Mount
O que as parábolas de Jesus têm para nos dizer? Eles estão relacionados aos nossos dias? Primeiro, devemos identificar e entender quais deles têm uma aplicação profética. Por exemplo, a parábola do filho pródigo contém um excelente ensino para nós, mas não é profética, não anuncia nenhum evento! Como então distinguir os tipos de parábolas? Como de costume, é muito simples: manteremos o que o próprio Jesus Cristo disse, sem adição ou remoção. Vamos limitar as interpretações aos únicos elementos que podem ser derivados diretamente de narrativas ou outros textos particulares e relevantes. Para o resto, gostaremos de contentar-nos com a resposta do Senhor: "Não cabe a vocês saber os tempos ou as épocas que o Pai colocou sob sua própria autoridade”. – Atos 1:7
(Prosseguir

Leiamos a Bíblia diariamente!
Bible Study - by courtesy of pixabay.com
visite bible.daily.baruq.uk
top of the page
Como comentar com Disqus?
A primeira maneira de comentar é se registrar no Disqus. Se você não tiver uma conta, clique no logotipo do Disqus e siga as instruções.
Você pode comentar como convidado: marque “I’d rather post as a guest” e siga as instruções.
Você pode assinar com sua conta do Google, Twitter ou Facebook.
No momento, os comentários não são moderados, no entanto, respeite as regras do senso comum e as leis atuais. (Note que a moderação pode vir a posteriori)
This website may use cookies to give you the very best experience. If you continue to visit it, you consent to this - but if you want, you can change your settings in the preferences of your web browser at any time. Please check this page to read our privacy policy and our use of cookies
top of the page